A cada dia fica mais evidente que, a maconha vai além do simples ‘baseadinho recreacional’, a maconha já é utilizada na forma medicinal, legalmente, em diversos países. No Brasil o uso da maconha vem contribuindo em inúmeros casos e aliviando o sofrimento de muita gente, porém de uma forma ilegal e criminalizada por nossa Lei 11.343/2006, uma Lei que não favorece a busca do alívio e cura de muitas patologias em uma planta.

Confira a ‘explanação’, por Jundson dos Santos, via Yahoo! Contributor Network

A Cannabis, mais conhecida como maconha, é considerada uma droga por agir no sistema nervoso, alterando a percepção das pessoas. Entretanto, estudos médicos apontam que a marijuana pode ser usada em tratamentos de saúde. Dessa forma, a maconha medicinal poderia ser legalizada e comercializada no tratamento de algumas doenças.

O princípio ativo da maconha, o canabinoide THC (tetrahidrocanabinol), atua em diversos sintomas de várias doenças, dependendo da quantidade presente na maconha. Existem tipos da cannabis que possuem um teor de THC mais elevado e servem para certas doenças e outros tipos com um teor de THC mais baixo, para doenças mais simples.

Entre as doenças que podem ser tratadas com a maconha medicinal estão: AIDS, câncer, TDAH (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade), esclerose múltipla, náusea decorrente da quimioterapia, doença de Crohn, glaucoma, epilepsia, insônia, enxaqueca, artrite e falta de apetite, anorexia, síndrome de Tourette, mal de Alzheimer, distrofia muscular, fibromialgia, caquexia e esclerose lateral amiotrófica.

Existem pesquisas científicas que tentam desvincular o poder curativo da maconha do efeito que altera a percepção das pessoas. Entretanto, os estudos indicam que o THC da maconha medicinal que dá às pessoas “um barato” age juntamente com o seu poder curativo, por isso ainda se tem opiniões contra o uso medicinal da maconha, uma vez que parte da comunidade médica desaprova o efeito de “droga” que ela possui.

Na verdade, o THC da maconha medicinal age ligando-se aos receptores de endocanabinoide do cérebro, ocasionando no usuário uma redução de ansiedade e dor, mas também uma alteração da consciência.

Importante ressaltar que, nos Estados Unidos, as Leis Federais não permitem o uso da maconha. Entretanto, alguns estados permitem o uso e cultivo da cannabis para fins medicinais. Caso você tenha um problema de insônia, por exemplo, pode ir a um médico que, ao final da consulta, poderá lhe prescrever uma receita para fumar maconha. Na Califórnia, o mercado medicinal da maconha movimenta mais de US$ 1 bilhão, gerando mais de US$ 100 milhões de impostos para o governo.

Veja alguns exemplos de doenças em que a maconha ajuda no tratamento:

Câncer: a quimioterapia causa fortes enjoos e os remédios que existem para combater esse sintoma são ineficazes. Ao tratar pacientes com câncer com maconha, enjoos e náuseas foram aliviados.

AIDS: como a maconha desperta fome nos usuários, ela é importante para ajudar a recuperar o peso dos portadores do vírus HIV. Isso pode prolongar a vida dos soropositivos, uma vez que, quando magros, ficam com o sistema imune mais debilitado. O único problema é que não existem estudos suficientes na área para provar se a maconha causa interferência no sistema imunológico.

Esclerose Múltipla: a maconha é usada para aliviar os sintomas da esclerose múltipla, como espasmos musculares, dor intensa e mau funcionamento dos intestinos e da bexiga.

Dores em geral: a erva é considerada um analgésico. Os casos mais comuns são de cólicas menstruais. Nos locais onde o seu uso é liberado para fins medicinais, os pacientes que passaram por alguma cirurgia podem optar pelo seu uso.

Glaucoma: para obter eficácia no tratamento do glaucoma, seria necessário uma dose de maconha a cada 3 ou 4 horas. Isso porque a doença aumenta a pressão intraocular e a erva diminui essa pressão. O único problema é o alto nível de “chapadez” do usuário, por isso não é tão recomendada.

No Brasil, o uso medicinal da maconha é proibido. Mas há muitos países nos quais a maconha já tem permissão para ser cultivada ou comercializada (seja para fins medicinais ou recreativos). São eles: Austrália, Canadá, Espanha, EUA, França, Holanda, Israel, Itália, Reino Unido e Suíça. No Brasil, a pena para quem produz ou trafica maconha é de reclusão de 5 a 15 anos e multa de R$ 500 a R$ 1.500.

Maconha alternativa tratamento doenças smkbd