Em 1999, o Instituto de Medicina (IOM), da Academia Nacional de Ciências (NAS), com financiamento do Congresso, fez a mais extensa revisão de literatura médica sobre a maconha até aquele momento e concluiu que “os dados compilados indicam um potencial valor terapêutico para drogas canabinóides, particularmente para sintomas tais como o alívio da dor, controle de náuseas e vômitos, e estimulação do apetite”. Eles também concluíram que houve “consenso substancial entre os especialistas nas disciplinas relevantes na evidência científica sobre potenciais usos medicinais da maconha”.1

Desde aquele tempo, vários outros estudos sobre os benefícios terapêuticos e paliativos da maconha medicinal, bem como alguns dos riscos associados à sua utilização, têm surgido. Abaixo estão algumas das principais descobertas e estudos mais recentes sobre a maconha medicinal e seus derivados; este resumo não é, no entanto, um resumo de toda a literatura científica.

Em geral, a pesquisa apoia o relatório do Instituto de Medicina concluindo que a maconha medicinal é segura e eficaz no controle da dor crônica, aliviando náuseas e vômitos associados à quimioterapia, tratando a síndrome de caquexia associada à AIDS, e controlando espasmos musculares devido à esclerose múltipla e epilepsia.2,3

Câncer e Quimioterapia: Estudos sobre maconha e câncer têm focado tanto na capacidade da maconha medicinal de aliviar os sintomas da quimioterapia e o potencial dos canabinóides de reduzir o crescimento de certos tipos de cânceres. Uma revisão de literatura de 2003 concluiu que canabinóides exercem efeitos paliativos em pacientes com câncer ao prevenir náuseas, vômitos e dor e ao estimular o appetite.4 Além de ajudar com os efeitos colaterais do tratamento, vários estudos têm sugerido que os canabinóides podem frear o crescimento e disseminação de muitos tipos de cânceres, incluindo os de pâncreas5, pulmão6, leucemia7, melanoma8, oral9, linfoma10, e outros tipos de câncer.11

Uma proporção significativa de oncologistas apoia a maconha medicinal como uma opção para seus pacientes. Dados levantados de um estudo de amostra aleatória de 1990, antes de qualquer estado ter aprovado o uso medicinal, mostra que 44% dos oncologistas tinham recomendado cannabis para pelo menos alguns de seus pacientes, e um número maior disse que o faria se as leis fossem alteradas. Dos entrevistados que expressaram uma opinião, a maioria (54%) considerou que a cannabis deveria estar disponível por prescrição.12

Esclerose Múltipla: Vários estudos têm demonstrado a eficácia da maconha medicinal e seus derivados na redução da espasticidade e dor em pacientes de esclerose múltipla (EM). Por exemplo, em um estudo randomizado controlado, Rog et al descobriram que o remédio à base de cannabis é eficaz na redução da dor e distúrbios do sono em pacientes com esclerose múltipla com dor neuropática central. Da mesma forma, estudos duplo-cegos randomizados controlados demonstraram melhorias significativas na espasticidade bem como em medidas de deficiência, cognição, humor, sono e fadiga entre pacientes que tomam medicamentos à base de cannabis.14,15 Um estudo de 2004 também descobriu que a cannabis ajudou a aliviar problemas com disfunção urinária em pacientes com esclerose múltipla e melhorou a auto-avaliação do paciente sobre dor, espasticidade e qualidade do sono.16

HIV/AIDS: A maconha medicinal tem sido eficaz no tratamento de ambos sintomas de HIV/AIDS e os efeitos colaterais de alguns dos medicamentos anti-retrovirais usados para tratá-lo. Por exemplo, foi descoberto que a maconha medicinal foi eficaz especialmente no tratamento da dor neuropática, um sintoma comum entre as pessoas que vivem com HIV/AIDS. Em um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, Ellis et al encontraram que a proporção de indivíduos que atingiram pelo menos algum alívio da dor foi significativamente maior com cannabis (46%) em comparação com placebo (18%). Os autores notaram que a cannabis fumada foi geralmente bem tolerada.17 Ver também Abrams et al.18

A maconha medicinal também parece ajudar com náuseas e perda de peso entre as pessoas que vivem com HIV/AIDS. Em uma pesquisa com usuários de maconha medicinal HIV positivos de 2005, 93 por cento disseram que a droga ajudou a reduzir náusea e outros sintomas, 56 por cento disseram que sua náusea estava “muito melhor”, enquanto 37 por cento disseram que ela estava um “pouco melhor”.19 Em um ensaio clínico duplo-cego de 2007 publicado na JAIDS, Haney et al descobriram que os fumantes de maconha HIV positivos aumentaram a ingestão calórica diária e o peso corporal com poucos efeitos adversos.20

Finalmente, um estudo recente realizado por pesquisadores no Hospital Monte Sinai sugere que a maconha ou seus derivados têm potencial para inibir um tipo de vírus da imunodeficiência humana (HIV) encontrados na fase final da AIDS. Eles descobriram que os receptores da maconha localizados em células do sistema imunológico – chamados receptores de canabinóides CB1 e CB2 – podem influenciar a propagação do virus.21

Dor: Numerosos estudos têm afirmado os efeitos analgésicos da maconha medicinal. Em sua recente revisão de literatura, Kraft concluiu que, embora as evidências não tenham suportado o uso de maconha para dor aguda, “na dor crônica e espasticidade (dolorosa), um número crescente de estudos randomizados controlados, dulpo-cego, com placebo têm mostrado alguma eficácia dos canabinóides”.22 Como sugerido acima, a maconha tem sido especialmente eficaz para a dor neuropática, e um corpo crescente de pesquisas indica que é útil para a dor crônica também.23,24,25,26

Síndrome do intestino irritável e doença de Crohn: Pesquisa recente sugere que a cannabis pode ser útil também para pacientes com síndrome do intestino irritável (SII) ou doença de Crohn. Um estudo de 2012 descobriu que três meses de tratamento com cannabis inalada melhorou as medidas de qualidade de vida, o índice de atividade da doença, e o ganho de peso dos pacientes com SII de longa data.27 Um estudo observacional recente sugere que a cannabis pode ajudar a aliviar a severidade dos sintomas da doença e reduzir a necessidade de outros medicamentos e/ou cirurgia.28

Segurança da Maconha Medicinal: A maconha medicinal é geralmente segura e bem tolerada, porém, como qualquer medicamento, possui alguns riscos. O fumo, de qualquer coisa, pode causar inflamação nos pulmões e deve ser evitado em pacientes com pulmões comprometidos. No entanto, um artigo recente da JAMA baseado em um estudo longitudinal de 20 anos sobre saúde pulmonar sugere que alguns destes riscos podem ter sido exagerados. Os autores concluíram, “maconha pode ter efeitos benéficos no controle da dor, apetite, humor e gestão de outros sintomas crônicos. Nossos resultados sugerem que o uso ocasional de maconha para este ou aquele fim não pode ser associado a consequências adversas sobre a função pulmonar”.29 Ver também Russo et al.30 Os pacientes também podem evitar muitos dos riscos associados ao fumo usando vaporizadores ou formas comestíveis de cannabis.

Em comparação com outras medicações, a maconha tem baixa toxicidade e é extremamente segura. Não há nenhum caso conhecido de uma morte por overdose de maconha. Em contraste, uma revisão das mortes do Sistema de Notificação Adversa da FDA entre 1997 (o ano em que o primeiro programa de maconha medicinal começou) e 2005 mostrou 196 mortes por antieméticos (medicamentos para prevenir náuseas e vómitos) e 118 mortes por antiespasmódicos (medicamentos que suprimir espasmos musculares). Analgésicos opiáceos, que são amplamente prescritos, são responsáveis por mais mortes acidentais do que acidentes de trânsito; quase 15.000 pessoas morreram de medicamentos prescritos para a dor só em 2008. Alguns pesquisadores começaram a olhar para a maconha medicinal como um analgésico mais seguro e menos viciante como alternativa para os opióides de prescrição. Por exemplo, em um recente artigo no American Journal os Hospice and Palliative Care, Carter et al clamam pela reclassificação da maconha tanto para melhorar os cuidados paliativos quanto para reduzir a morbidade relacionada com opióides.31 Em uma pesquisa com pacientes de maconha medicinal, Reiman descobriu que 66% tinham usado maconha medicinal como um substituto para outras drogas de prescrição, citando menos efeitos colaterais adversos, melhor gestão dos sintomas, e síndromes de abstinência menos graves.

Há algumas evidências que sugerem que a maconha pode exacerbar sintomas psicóticos, especialmente entre adultos jovens e/ou com sinais pré-existentes de psicose.33,34,35 A direção causal da relação entre o uso de maconha e esquizofrenia não foi estabelecida, e não houve aumento da prevalência de esquizofrenia nos últimos 50 anos, apesar do aumento das taxas de uso de maconha na população em geral.36

Potencial Aditivo da Maconha Medicinal e seu Papel no Uso de Outras Drogas: Embora o uso da maconha pode se tornar um problema para alguns, o estudo da Academia Nacional de Ciências de 1999 concluiu que: “poucos usuários de maconha tornam-se dependentes dela… e a dependência de maconha parece ser menos grave do que a dependência de outras drogas”.37 De acordo com o Instituto Nacional de Abuso de Drogas apenas cerca de 9 por cento dos que experimentam a maconha se tornam dependentes,38 comparados a 32 por cento dos usuários de tabaco e 15 por cento dos usuários de álcool.39 Além disso, não há nenhuma evidência convincente de que a maconha é uma “porta de entrada”. O que a teoria da porta de entrada apresenta como uma explicação causal é uma associação estatística entre as drogas comuns e incomuns. A maconha é a droga ilegal mais popular nos Estados Unidos. Portanto, as pessoas que usaram drogas menos populares, como heroína, cocaína e LSD, são suscetíveis de também terem usado maconha.

Alternativas à Maconha Medicinal: Marinol, uma medicação oral que atualmente está disponível sob prescrição médica, não é uma solução viável para muitos pacientes. O Marinol contém 100 por cento de delta-9 THC (contra os 20 por cento de THC encontrados na cannabis natural). A maioria dos pacientes considera que o Marinol é muito sedativo e cria muitos efeitos psicoativos indesejados.40 A pesquisa mostrou também que o Marinol é muitas vezes mal absorvido, e os pacientes queixam-se que a dosagem é difícil de monitorar e controlar.41 Além disso, para pacientes que sofrem de náusea severa e vômitos ou que não conseguem engolir, medicamentos orais muitas vezes não são viáveis. Cannabis fumada ou inalada fornece um sistema eficaz e eficiente para a administração de THC (um dos ingredientes ativos na maconha). Este início rápido de efeitos não só proporciona alívio mais imediato, mas também permite que os pacientes possam titular cuidadosamente a sua dose para aliviar seus sintomas.42

Impacto da Maconha Medicinal no Uso de Drogas em Geral: A pesquisa sugere que o uso global de maconha não aumentaria sob o sistema rigidamente regulado proposto no projeto de lei de Nova York. O relatório da Academia Nacional de Ciências de 1999 constatou que: “Há uma ampla preocupação social de que sancionar o uso medicinal da maconha pode aumentar o seu uso entre a população geral. Neste ponto, não há dados convincentes que justifiquem essa preocupação. Os dados existentes são consistentes com a ideia de que isso não seria um problema se o uso medicinal da maconha fosse regulado tanto quanto outros medicamentos com potencial de abuso… Nenhuma evidência sugere que o uso de opiáceos ou cocaína para fins médicos tem aumentado a percepção de que seu uso ilícito é seguro ou aceitável”.43 Desde esse relatório, várias outras análises, incluindo um estudo de 2012 publicado na revista Annals of Epidemiology analisou se aprovar leis de maconha medicinal impacta ou não o uso de maconha na adolescência. Os autores concluíram que as leis da maconha medicinal não tiveram efeitos visíveis sobre o uso da maconha: “Se nossas estimativas sugerem algo, é o de que o relato de uso por adolescentes deve na verdade diminuir após a aprovação de leis de maconha medicinal (p.211)”.44

Via Compassionate Care NY
Tradução: André Kiepper

_____________

1 Joy, J. , Watson S. and A . Benson. (Eds.). (1999). Marijuana and Medicine: Assessing the Science Base. Washington, D.C.: National Academy of Sciences. Available at //books.nap.edu/catalog.php?record_id=6376.
2 Clark PA, Capuzzi K, Fick C. (2011). Medical marijuana: medical necessity versus political agenda. Med Sci Monit., 17(12):249-61.
3 Amar, MB. (2006). Cannabinoids in Medicine: a review of their therapeutic potential. Journal of Ethnoparhamcology, 105, 1-25.
4 Guzmán M. (2003). Cannabinoids: Potential Anticancer Agents. Nat Rev Cancer, 3(10):745-55 .
5 Carracedo et al. (2006). Cannabinoids induce apoptosis of pancreatic tumor cells via endoplasmic reticulum stress-related genes. Cancer Research, 66: 6748-6755.
6 Preet et al. (2008). Delta9-Tetrahydrocannabinol inhibits epithelial growth factor-induced lung cancer cell migration in vitro as well as its growth and metastasis in vivo. Oncogene, 10: 339-346.
7 Powles et al. (2005). Cannabis-induced cytotoxicity in leukemic cell lines. Blood, 105: 1214-1221.
8 Casanova et al. (2003). Inhibition of skin tumor growth and angiogenesis in vivo by activation of cannabinoid receptors. Journal of Clinical Investigation, 111: 43-50.
9 Whyte et al. (2010). Cannabinoids inhibit cellular respiration of human oral cancer cells. Pharmacology, 85: 328-335.
10 Gustafsson et al. (2006). Cannabinoid receptor-mediated apoptosis induced by R(+)-methanandamide and Win55,212 is associated with ceramide accumulation and p38 activation in Mantle Cell Lymphoma. Molecular Pharmacology, 70: 1612-1620.
11 Pastos et al. (2005). The endogenous cannabinoid, anandamide, induces cell death in colorectal carcinoma cells: a possible role for cyclooxygenase-2. Gut, 54: 1741-1750.
12 Doblin R, Kleiman MAR (1991). Marijuana as Antiemetic Medicine: A Survey of Oncologists’ Experiences and Attitudes. J Clin Oncol, 9: 1275-1290.
13 Rog DJ, Nurmikko TJ, Friede T, Young CA. (2005). Randomized, Controlled Trial of Cannabis-Based Medicine in Central Pain in Multiple Sclerosis. Neurology, 65(6):812-9.
14 Novotna, A., Mares, J., Ratcliffe, S., et al. (2011). A randomized, double-blind, placebo-controlled, parallel-group, enriched-design study of nabiximols (Sativex®), as add-on therapy, in subjects with refractory spasticity caused by multiple sclerosis. European Journal of Neurology, 18: 1122–1131.
15 Wade DT, Makela P, Robson P, House H, Bateman C.(2004). Do cannabis-based medicinal extracts have general or specific effects on symptoms in multiple sclerosis? A double-blind, randomized, placebo-controlled study on 160 patients. Mult Scler., 10(4):434-41.
16 Brady CM, DasGupta R, Dalton C, Wiseman OJ, Berkley KJ, Fowler CJ. (2004). An Open-Label Pilot Study of Cannabis-based Extracts for Bladder Dysfunction in Advanced Multiple Sclerosis, Mult Scler., 10(4):425-33.
17 Ellis RJ, Toperoff W, Vaida F, van den Brande G, Gonzales J, Gouaux B, Bentley H, Atkinson JH. (2009). Smoked Medicinal Cannabis for Neuropathic Pain in HIV: A Randomized, Crossover Clinical Trial. Neuropsychopharmacology, 34(3):672-80.
18 Abrams, D., Jay, C., Shade, S. et al. (2007). Cannabis in painful HIV-associated sensory neuropathy: A randomized placebo-controlled trial. Neurology, 68: 515-521.
19 Woolridge, E., Barton, S. Samuel,J. et al. (2005). Cannabis Use in HIV for Pain and Other Medical Symptoms, Journal of Pain and Symptoms Management, 29(4): 358-67.
20 Haney M, Gunderson EW, Rabkin J, Hart CL, Vosburg SK, Comer SD, Foltin RW. (2007). Dronabinol and Marijuana in HIV-Positive Marijuana Smokers: Caloric Intake, Mood, and Sleep. J Acquir Immune Defic Syndr. 45(5): 545-54.
21 Costantino CM, Gupta A, Yewdall AW, Dale BM, Devi LA, et al. (2012). Cannabinoid Receptor 2-Mediated Attenuation of CXCR4-Tropic HIV Infection in Primary CD4+ T Cells. PLoS ONE 7(3): e33961. doi:10.1371/journal.pone.0033961
22 Kraft B. (2012). Is There Any Clinically Relevant Cannabinoid-Induced Analgesia? Pharmacology, 89(5-6):237-246.
23 Ware MA, Wang T, Shapiro S, Robinson A, Ducruet T, Huynh T, Gamsa A, Bennett GJ, Collet JP. (2010). Smoked Cannabis for Chronic Neuropathic Pain: A Randomized Controlled Trial. Canadian Medical Association Journal, 182(14): E694-701.
24 Johnson JR, Burnell-Nugent M, Lossignol D, Ganae-Motan ED, Potts R, Fallon MT. (2010). Multicenter, Double-Blind, Randomized, Placebo-Controlled, Parallel-Group Study of the Efficacy, Safety, and Tolerability of THC:CBD Extract and THC Extract in Patients With Intractable Cancer-Related Pain. J Pain Symptom Manage. 39(2):167-79.
25 Ware MA, Doyle CR, Woods R, Lynch ME, Clark AJ. (2003). Cannabis Use for Chronic Non-Cancer Pain: Results of a Prospective Survey. Pain, 102(1-2):211-6.
26 Notcutt W, Price M, Miller R, Newport S, Phillips C, Simmons S, Sansom C. (2004). Initial experiences with medicinal extracts of cannabis for chronic pain: Results from 34 ‘N of 1’ studies. Anaesthesia, 59(5):440-52.
27 Lahat A, Lang A, Ben-Horin S. (2012). Impact of cannabis treatment on the quality of life, weight and clinical disease activity in inflammatory bowel disease patients: a pilot prospective study. Digestion, 85(1):1-8.
28 Naftali T, Lev LB, Yablecovitch D, Half E, Konikoff FM. (2011). Treatment of Crohn’s disease with cannabis: an observational study. Isr Med Assoc J., 13(8):455-8.
29 Pletcher, P., Vittinghoff, E. Kalhan,R. et al., (2012) Association Between Marijuana Exposure and Pulmonary Function Over 20 Years,” JAMA, 307(2):173-18.
30 Russo, E., Mathre, ML., Byrne, A., Velin, R., Bach, P., Sanchez-Ramos, J., and Kirlin, KA. (2002). Chronic Cannabis Use in the Compassionate Investigational New Drug Program: An Examination of Benefits and Adverse Effects of Legal Clinical Cannabis. Journal of Cannabis Therapeutics (JCT): 2(1): 3-57.
31 Carter GT, Flanagan AM, Earleywine M, Abrams DI, Aggarwal SK, Grinspoon L. (2011). Cannabis in palliative medicine: improving care and reducing opioid-related morbidity. Am J Hosp Palliat Care, 28(5):297-303.
32 Reiman. A. (2009). Cannabis as a substitute for alcohol and other drugs. Harm Reduction Journal, 6 (3).
33 Kuepper R, van Os J, Lieb R, Wittchen HU, Höfler M, Henquet C . (2011). Continued Cannabis Use and Risk of Incidence and Persistence of Psychotic Symptoms: 10 Year Follow-up Cohort Study. BMJ, 342: d738.
34 Large M, Sharma S, Compton MT, Slade T, Nielssen O. (2011). Cannabis Use and Earlier Onset of Psychosis: A Systematic Meta-analysis. Arch Gen Psychiatry, 68(6):555-61
35 van Os J, Bak M, Hanssen M, Bijl RV, de Graaf R, Verdoux H. (2002). Cannabis use and psychosis: a longitudinal population-based study. Am J Epidemiol., 15;156(4):319-27.
36 Aggarwal, S. (2012). Cannabinergic pain medicine: A concise clinical primer and survey of randomized clinical trials. Clinical Journal of Pain. E-pub ahead of print.
37 Joy, J., Watson S. and A . Benson. (Eds.). (1999). Marijuana and Medicine: Assessing the Science Base. Washington, D.C.: National Academy of Sciences. Available at //books.nap.edu/catalog.php?record_id=6376 .
38 National Institute of Drug Abuse. (2010). DrugFacts: Marijuana. Available at https://www.drugabuse.gov/publications/drugfacts/marijuana . Accessed 5/25/12.
39 Anthony, J. C., Warner, L. A., & Kessler, R. C. (1994). Comparative epidemiology of dependence on tobacco, alcohol, controlled substances, and inhalants: Basic findings from the National Comorbidity Survey. Experimental and Clinical Psychopharmacology, 2, 244– 268.
40 Carter GT, Flanagan AM, Earleywine M, Abrams DI, Aggarwal SK, Grinspoon L. (2011). Cannabis in palliative medicine: improving care and reducing opioid-related morbidity. Am J Hosp Palliat Care, 28(5):297-303.
41 Grant, I. et al. (2012). Medical marijuana: clearing away the smoke. Open Neurology Journal, 6, 18-25.
42 Grant, I. et al. (2012). Medical marijuana: clearing away the smoke. Open Neurology Journal, 6, 18-25.
43 Joy, J. , Watson S. and A . Benson. (Eds.). (1999). Marijuana and Medicine: Assessing the Science Base. Washington, D.C.: National Academy of Sciences. Available at //books.nap.edu/catalog.php?record_id=6376.
44 Harper, S., E. Strumpf, and J. Kaufman. (2012). Do medical marijuana laws increase marijuana use? Replication study and extension. Annals of Epidemiology, 22(3): 207-212.