Já é sabido que a maconha pode trazer alguns benefícios para a saúde, como, por exemplo, para os portadores de glaucoma. Um novo estudo, no entanto, afirma que a substância pode prevenir a cegueira causada pela retinite pigmentosa. As informações são do Huffington Post, via Terra.

A retinite pigmentosa é uma doença degenerativa que destrói milhões de sensores de luz microscópicos, os fotorreceptores, que existem nos olhos humanos. A cura para a condição segue desconhecida, mas pesquisadores da Universidade de Alicant, na Espanha, podem ter descoberto um tratamento efetivo com a maconha, que pode reduzir a destruição dos sensores de luz de forma significativa.

Para o estudo, os cientistas forneceram um canabinóide (derivado da planta cannabis) sintético para um grupo de ratos, que, após o período de 90 dias, apresentou 40% mais fotorreceptores do que os que ficaram sem tratamento. Os ratos que experimentaram a droga também mostraram melhor conexão entre os fotorreceptores e os neurônios pós-sinápticos, que recebem e processam os sinais da luz.

“Estes dados sugerem que os canabinóides são potencialmente úteis para atrasar a degeneração da retina em pacientes de retinite pigmentosa”, explicou o estudo. No entanto, ainda é cedo para comemorar, já que os cientistas ainda não identificaram o mecanismo exato através do qual os canabinóides reduzem os danos causados pela condição.

Esta foi a primeira vez que a maconha tenha sido estudada como uma terapia para a doença. O estudo foi publicado no início deste mês na revista Experimental Eye Research.