No sábado, dia 17, a marcha da maconha foi as ruas na cidade de Niterói para pedir a regulação da maconha e uma nova abordagem na política de drogas. Confira como foi o ato, nas palavras de Andrew Costa um dos organizadores da Marcha e do Coletivo Cultura Verde.

A Marcha da Maconha reuniu mais de 1 mil pessoas esse sábado na cidade de Niterói. A concentração da manifestação começou às 14:20h no Terminal de Ônibus João Goulart, no centro da cidade, com o já tradicional bloco Planta na Mente fazendo a agitação. Cartilhas Antiproibicionistas, a Revista Maconha Brasil e panfletos de diversos coletivos e movimentos também estavam sendo distribuídos no terminal, praticamente todos com dados e informações sobre os malefícios da guerra às drogas.

Exatamente às 16:20h, horário internacionalmente reconhecido pela cultura canábica, a Marcha da Maconha saiu em direção à Praça da Cantareira no bairro do Ingá. Além das faixas anunciando o movimento, estandartes de variados temas como a luta antimanicomial, LGBT e feminista  também estiveram presentes. A manifestação esse ano também contou com um “abre-alas” de performances artísticas que juntou bambolês, fitas e malabares. Sem a presença da Polícia Militar, a manifestação transcorreu completamente pacífica. A segurança dos manifestantes foi feita exclusivamente pela Patrulha Escolar da Guarda Municipal.

Na Praça Cantareira aconteceu o show do grupo paulista RAP BLUNT & Zero19, além da Batalha 420, um  duelo de MC’s pela legalização da maconha. A batalha foi apresentada pelo MC Nissin, doOriente, e o show pelo MC Douglas DG daRoda Cultural de Icaraí. Em certo momento algumas mulheres interviram no espaço reclamando de machismo na rima de alguns rappers e fizeram uma fala sobre o que consideraram opressor. A batalha, que contou com uma MC mulher na final, terminou em uma disputa bastante acirrada onde o MC TH sagrou-se campeão. O vencedor levou pra casa um kit canábico completo da Ultra420 com bong, pipe, seda, blunt, dischavador, porta erva e uma camisa oficial da Marcha da Maconha Niterói 2014.

Estima-se que a Marcha da Maconha organize atos em mais de 50 cidades pelo país durante esse ano. Só no estado do Rio de Janeiro, depois de reunir mais de 10 mil pessoas na capital, ocupar as ruas da Ilha do Governador, Zona Oeste e Niterói, o movimento pela legalização e regulamentação da maconha ainda tomará as ruas de São Gonçalo (21/05) e Nova Iguaçu (24/05).

Via Cultura Verde