Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Aproveitando o encontro da “Cúpula dos Povos” durante a “Rio + 20”, realizamos a “Cúpula Cannábica” e a “Rio + 4:20”. Em três dias de encontro, ativistas e coletivos das Marchas da Maconha de todo o país tiveram a oportunidade de se conhecer e debater os próximos passos para a legalização da maconha no Brasil e no mundo.

O debate foi acirrado, pois conflitos de culturas políticas ficaram claros durante o encontro. Enquanto vários ativistas trazem práticas de partidos políticos de esquerda e de aparelhos estudantis e sindicais, outros apresentam a experiência de novas práticas advindas da democracia direta da internet e de movimento em rede.

Cobrados à esquerda como movimento de alienados que pretendem apenas a legalização da maconha para uso recreativo, muitos ativistas sentem a obrigação de organizar a revolução que vai construir uma sociedade igualitária. Dessa forma, pensam construir no movimento cannábico a consciência revolucionária que vai transformar toda a realidade social. A preocupação é nobre, mas destituída de realidade. Penso, que a legalização da maconha, por si só, vai representar um baque nesse sistema capitalista estressado, apressado e de um alienante e repetitivo trabalho. A maconha vai trazer a essa sociedade o trabalho criativo, reflexivo e da paz, pois seu próprio consumo é coletivo e em roda, ao contrário do consumo individual deste sistema capitalista.

Leia também:  10 Músicas que falam de drogas e você nem sabia

No encontro, debatemos e concluímos que nosso movimento deve ser “em teia” e criamos a REDE NACIONAL DE ATIVISTAS E COLETIVOS PELA LEGALIZAÇÃO DA MACONHA. Nesta rede, vamos estreitar nossas relações e aprofundar diversos temas no debate.

Decidimos fazer uma pressão nacional para o Supremo Tribunal Federal julgar o Recurso Extraordinário de grande repercussão geral, como deliberou o Plenário Virtual da Corte. Enviar e-mails de todos os estados, cobrando do Supremo para que nossa causa não prescreva. O Movimento foi nominado STF, NÃO DEIXE APAGAR A NOSSA CAUSA.

Em 19 de junho, último dia de nosso encontro, realizamos, no meio da Cúpula dos Povos, a Marcha da Maconha. Mais de 500 ativistas caminharam e cantaram pela legalização da maconha, acompanhados de forte e provocativo aparato policial. Após a Marcha, vários ativistas foram, inclusive, revistados. Mas nada que ofuscasse a potência da Marcha da Maconha da Cúpula Cannábica.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here