“Remédio à base de maconha é retido em alfândega mesmo após liberação da Justiça. Pais de crianças doentes têm de viajar a outros estados para retirar canabidiol, que reduz convulsões. As informações são do O Globo. – Infelizmente esse e outros obstáculos comprovam a real necessidade da pronta autorização do cultivo caseiro de maconha para fins medicinais, aproveite e apoie a proposta “Maconha é Remédio. E agora?“.

Apesar de autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a importar remédios à base do canabidiol (CBD), um composto da maconha, pais cujos filhos sofrem de doenças com graves convulsões têm esbarrado em processos burocráticos que dificultam e atrasam a liberação dos medicamentos que chegam ao Brasil. As famílias precisam retirar os produtos pessoalmente, mesmo fora de seus estados de origem. A outra opção é pagar a um despachante para fazer o chamado desembaraço aduaneiro. Para receber os remédios em casa, relatam, são obrigados a pagar impostos que podem dobrar o valor desembolsado.

Mãe de Anny, de 6 anos, Katiele Fischer viajou ontem de Brasília a Campinas (SP) para liberar medicamento à base do CBD que estava retido no Aeroporto Internacional de Viracopos desde quinta-feira. A menina, cujo caso ficou conhecido por meio da campanha Repense, tem síndrome de CDKL5, desordem genética rara. A família foi a primeira do Brasil a conseguir uma ordem judicial para importar a droga.

– O remédio que temos terminaria amanhã (hoje), por isso resolvi ir até lá. A melhor palavra que define essa situação é injustiça – lamenta Katiele. – Diferentemente de quando não usava o CBD, hoje a Anny tem controle cervical e de tronco e faz contato com o olhar. O canabidiol não é a cura, mas pode controlar as crises e dar a chance de a criança evoluir e ter qualidade de vida.

Essa é a terceira vez que a família de Anny recebe o remédio desde que conseguiu decisão judicial obrigando a Anvisa a autorizar a importação. Na primeira, o processo estava sendo acompanhado pela agência, e foi possível retirar o produto no Aeroporto Internacional de Brasília. Na segunda, os pais optaram por serviço expresso, o que garantiu a entrega do medicamento em casa com a cobrança de impostos. Semana passada, enviaram e-mail à Receita Federal pedindo regras simples.

katiele-fischer-com-a-filha-anny-fischer
Katiele Fischer com a pequena Anny

“INVIÁVEL FINANCEIRAMENTE”

A proposta da família é que os medicamentos sejam incluídos em dispositivo que trata da imunidade tributária para livros, jornais e periódicos impressos em papel. A Receita, no entanto, afirma que uma proposição nesse sentido não é de competência do órgão e depende de emenda à Constituição.

– Tudo isso está tornando o uso do remédio inviável financeiramente para a gente. Imagina para uma pessoa que mora no Acre! Certamente há casos de famílias que mal têm condições de entender o processo – afirma Norberto Fischer, pai de Anny.

Aline Voigt, mãe de Maria Clara, de 6 anos, também enfrenta dificuldades para importar o CBD. Moradora do Rio, ela viajou mês passado a Campinas para buscar a medicação da menina, que tem síndrome de Rett.

– Achávamos que o remédio chegaria em casa, mas, de repente, recebemos um e-mail dizendo que o produto estava disponível para desembaraço alfandegário em Viracopos. Inicialmente, iríamos contratar uma despachante, mas ela pediu uma série de documentações, e percebemos que não daria tempo de esperar todo o processo. Peguei um avião e fui buscar o remédio – conta Aline.

Procurada, a Anvisa informou em nota que, a partir do momento em que autoriza a importação, envia a informação para os três pontos de entrada desse tipo de produto no país: São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná. De acordo com a agência, com a chegada da mercadoria a um desses estados, a liberação é feita de forma automática. “É importante destacar que a entrega do produto na porta do consumidor depende da forma de envio contratada e de eventuais procedimentos adicionais que fogem ao escopo de atuação da Anvisa”, completa a nota.

Na Pontinha… ~

A cada dia que passa esse e outros obstáculos comprovam a real necessidade da pronta autorização do cultivo caseiro de maconha para fins medicinais.

Ingressar na justiça para o custeio do tratamento será mais uma ‘via-crucis’ para aqueles que não podem esperar, inclusive crianças, e uma das alternativas viáveis para a redução de mais da metade do custo será a União autorizar o cultivo caseiro de maconha para fins medicinais.

Com a devida autorização para o cultivo de maconha para fins medicinais, o óleo pode ser facilmente produzido por cultivadores e até mesmo pelos familiares dos pacientes.

A maconha oferece, medicinalmente, muito mais que o CBD. Abra sua mente e APOIE, AGORA, o debate sobre a autorização do plantio, cultura e colheita da maconha para fins medicinais como determina a atual lei de drogas.

Lembre-se, mesmo que você não seja portador de uma condição grave de saúde, certamente você conhece alguém que precisa dos benefícios medicinais da maconha.

Leia a sugestão de Audiência Pública e APOIE AGORA

https://www12.senado.gov.br/ecidadania/visualizacaopropostaaudiencia?id=13061
Basta acessar o link e preencher os campos NOME, E-MAIL e CÓDIGO DE VALIDAÇÃO e clicar em EU APOIO. Após isso, CONFIRME clicando no link do e-mail enviado para o endereço preenchido. Pronto seu apoio foi registrado.