MPF já fez o pedido formal na tarde da última quinta-feira (31/07), pedindo urgência na liberação. Os pedidos foram feitos para 12 crianças, 2 adolescente e 2 adultos: todos sofrem de patologias neurológicas que têm em comum surtos de epilepsia, que já foram tratadas com diversos outros medicamentos, sem sucesso. As informações são do G1.

O Ministério Público Federal (MPF) ingressou com ação civil pública, nesta quinta-feira (31), pedindo a liberação da importação de canabidiol na Paraíba, composto químico presente na maconha, proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para tratamento de 16 pacientes. A ação contra a União e Anvisa relata a urgência em viabilizar o atendimento de 12 crianças, dois adolescentes e dois adultos na Paraíba.

Aperte e leia: Pais entram na Justiça para tratar os filhos com canabidiol na Paraíba

Eles apresentam patologias neurológicas que têm como característica comum um quadro de epilepsia. Na busca pelo controle das frequentes crises convulsivas, já foram submetidos a diversos tipos de tratamento e combinações de anticonvulsivantes disponíveis no mercado, sem sucesso. O órgão requer a aplicação de multa diária de R$ 100 mil para o caso de descumprimento.

O MPF explica que a situação dos pacientes é urgente e sem resultados satisfatórios ao tratamento medicamentoso tradicional. Para todos os casos, há a prescrição médica específica para uso do canabidiol. No entanto, falta o termo de responsabilidade assinado por um médico, documento exigido pela Anvisa.

Para o procurador regional dos Direitos do Cidadão na Paraíba, José Godoy Bezerra de Souza, apenas a substância demonstra ser tratamento viável e com resultados. Em casos isolados em Mato Grosso, Pernambuco e no Distrito Federal, a Justiça autorizou a liberação da importação e uso da substância para portadores de síndromes epiléticas, sempre condicionando a importação à requisição médica.

Na ação, o MPF quer que a União e a Anvisa se abstenham de destruir, devolver, reter e impedir a compra e obtenção ou, de alguma forma, dificultar que o objeto postal importado contendo o medicamento, acompanhado da receita médica e endereçado aos 16 pacientes. “A luta do MPF é para garantir uma qualidade de vida digna aos jovens e crianças acometidos pelas enfermidades neurológicas convulsionantes”, ressaltou o procurador.