Governo chileno pretende tirar maconha da lista de drogas pesadas. País deve ainda estudar uso médico da erva. As informações são do jornal O Globo

O novo governo chileno pretende respaldar um decreto para tirar a maconha da lista de drogas pesadas e avaliar seu uso terapêutico. A reforma da lei de drogas foi impulsionada pela equipe do ex-presidente Sebastián Piñera e está pronta para ser assinada por sua sucessora, Michelle Bachelet, segundo funcionários do governo.

— Isso é um tema de segurança cidadã e de saúde pública. É preciso modificar o regulamento. Creio que como droga pesada isso vai ser modificado — disse nesta terça-feira a nova ministra da Saúde, Helia Molina.

A reforma da lei de drogas foi apresentada este mês através de um decreto do Serviço Nacional para a Prevenção e Reabilitação do Consumo de Drogas e Álcool (Senda) e estaria pronta para a assinatura de Bachelet. Apesar disso, a diretora da Senda que está deixando o cargo, Francisca Florenzano, manifestou diferenças com a nova ministra da Saúde.

— De certa maneira, não estou de acordo com a nova ministra, que tenta minimizar absolutamente a maconha como não sendo droga, inclusive num nível mais baixo do que o tabaco — assegurou a funcionária, ressaltando a necessidade de informar os danos provocados pela erva.

Desde 2008, a maconha se encontra na lista de drogas pesadas na lei chilena, junto com outras substâncias consideradas altamente tóxicas e que geram um elevado nível de dependência. Foi Bachelet, durante seu primeiro mandato, de 2006 a 2010, quem colocou a maconha nessa lista. E agora deverá ser a presidente que deverá tirá-la daí.

No Chile é permitido o consumo da maconha, mas o cultivo e o tráfico é castigado penalmente.