Quando se fala em ganja você pensa na Jamaica, em reggae e pensa em Bob Marley. Apesar de sinônimo da cultura e música na ilha, a canábis não é legalizada na Jamaica há mais de cem anos.

Sanções da comunidade internacional impediram que a Jamaica cultivasse e vendesse legalmente uma das ervas mais potentes e naturais do planeta. Mas com o avanço legal da maconha ocorrendo pelo mundo a Jamaica tem falado sobre a legalização. E esse é um passo de grande potencial para transformar a economia de terceiro mundo, desta pequena ilha, para uma do primeiro.

Assista o vídeo produzido pela VICE chamado “O negócio da ganja na Jamaica” que explana essas mudanças na nação jamaicana.

A primeira empresa de maconha medicinal da Jamaica, a Medicanja, foi lançada este ano, num contexto de enérgicos debates entre líderes políticos a respeito de reformas nas leis de consumo e comércio da erva. O renomado cientista jamaicano Dr. Henry Lowe, líder em estudos do THC para propósitos medicinais, comanda a companhia, e tem a Universidade das Índias Ocidentais e a Universidade de Tecnologia da Jamaica financiando as instalações em parceria.

Além de estudar os benefícios científicos da maconha, o Dr. Lowe afirma que a empresa vai desenvolver produtos médicos baseados em CBD, que caem sob o uso medicinal legalizado da cannabis. Lowe diz que o extrato da planta pode ser usado para tratar psicose e dor severa, assim como a crise de meia-idade masculina.