Você está lendo

Especial 11 de Maio: Onde fica a Jamaica Brasileira, a capital do reggae?

Você sabia que hoje, dia 11 de maio é Dia Nacional do Reggae? Pra comemorar e ir além do Bob Marley vou contar para vocês a história da Jamaica Brasileira, a cidade onde o reggae impera.

Como surgiu o Dia Nacional do Reggae?

Trinta e um anos após a morte de Bob Marley, a presidente Dilma Rousseff decidiu homenagear o músico jamaicano. Dia 11 de maio é, oficialmente, o “Dia Nacional do Reggae” no Brasil. A data não foi escolhida por acaso: em 1981, no mesmo 11 de maio, o artista morreu com 36 anos em um hospital em Miami, nos Estados Unidos.

A data comemorativa foi decretada e sancionada na Lei 12.630 assinada na época por Dilma. O texto distribuído pelo Palácio do Planalto diz que nesta data “se homenageará o ritmo musical difundido mundialmente por Robert Nesta Marley”. Em outras palavras, é a celebração do reggae popularizado por Bob Marley.
Mais que uma decisão presidencial, a homenagem tem caráter cultural, já que a lei também é assinada pela ministra da Cultura, Ana de Hollanda, e ainda um fundo racial, pois o mesmo também leva a assinatura da secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Helena de Bairros.

Tudo começou na 70, em São Luís do Maranhão e ainda hoje lá é ritmo jamaicano ainda é preferido da boa parte da população da cidade e atualmente, o reggae emprega milhares de pessoas na capital. Inquieto que sou, comecei a buscar e descobri que tínhamos um dia nacional do reggae, não por acaso no dia da morte do Bob Marley. 11 de Maio.

São Luís já tem 404, foi fundada por franceses, invadida por holandeses anos e por fim colonizada por portugueses, todos os anos as comemorações da cidade tem uma grande dose de reggae, mesmo que a classe mais elitista não goste tanto.

 “Jamaica Brasileira”


A capital maranhense ganhou este título há mais de 35 anos, ainda na década de 1980 quando o ritmo já havia se disseminado por toda a cidade, virando um patrimônio cultural.

Provavelmente naquela época tocava a Sister Nancy. Certeza!!!

Mas a história mesmo começa nos 70, reza lenda que o ritmo chegou através dos marinheiros que chegavam ao porto de São Luís e de Cururupu e deixavam discos trazidos da Jamaica para pagar por inúmeros tipos de serviços. O antropólogo e professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Carlos Benedito Rodrigues da Silva vai mais longe, fala que o reggae começou disseminado nos puteiros da cidade.

“Eles não tinham grana para pagar as mulheres então deixavam os discos que eram tocados nos prostíbulos e depois começaram a ganhar o gosto da população”

Carlos Benedito Rodrigues da Silva afirma ainda em uma entrevista que achei no G1 que quando foi morar por lá em 1981, a cidade inteira já estava ouvindo e foi isso que o motivou pesquisar mais sobre o fenômeno que tomava as ruas de São Luís.

Você consegue imaginar uma Capital no Brasil que não uma música, mas o estilo de música preferido de geral é em inglês? Difícil né, mas esse professor diz que por lá a galera curet o reggae roots, inglesão – o reggae tradicional jamaicano.

“Descobri através de pesquisas que o Maranhão tem uma relação muito grande com a Jamaica por conta grupos étnicos semelhantes da diáspora”, disse Carlos Benedito.

Ou seja, o professor descobriu que as pessoas que foram trazidas escravizadas para o Maranhão e para Jamaica pertenciam aos mesmos grupos e não para por ai:

“Tem algumas semelhanças dos quilombolas jamaicanos com os encontrados no Maranhão, e também nos ritmos jamaicanos com os ritmos do tambor de crioula. Possivelmente essas pessoas foram trazidas do mesmo lugar”, disse Carlos Benedito.

Tocava na rádio?
Muito mais que na rádio, tocava na radiola, conhecido aqui no Brasil como o famoso sistema de som. Mas o reggae lá ficou tão sinistro que eles tinham que ir buscar discos na Jamaica e viravam verdadeiros expedicionários do reggae, tipo caça reggae e dub massa. Segundo o presidente da comissão integrada do reggae e turismo de São Luís o negócio lá ficou sinistro e é uma das fontes de renda e uma competição saudável de radiolas.

“O reggae se tornou no Maranhão uma potência geradora de emprego e renda. Um atrativo turístico também que impacta direta e indiretamente milhares de pessoas. Além disso, é uma expressão cultural tão forte que Jamaicanos passaram a vir para morar aqui para trabalhar com a música”, finalizou Fábio Araújo.

Fontes: [1]

medico maconha

Comente

Escreva seu comentário