Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Medicamento é apontado como esperança para tratamento de convulsões, porém a comercialização da substância é proibida pela Anvisa no Brasil. As informações são do G1.

Um grupo de mães e pais paraibanos entrou na Justiça para ter acesso ao medicamento canabidiol, composto químico derivado da maconha, proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O pedido de intervenção judicial no caso foi registrado no dia 1º de julho deste ano, segundo o psicólogo Júlio Américo, um dos pais envolvidos na mobilização.

Segundo Júlio Américo, o medicamento é uma esperança para os filhos do grupo, que têm convulsões e problemas neurológicos. Júlio Américo comentou que o grupo ficou sabendo da existência do medicamento através de uma reportagem exibida pelo Fantástico, na TV Globo, onde foi apresentado o caso de uma garota que teve aumento significativo na sua qualidade de vida e cognição. “A partir desta reportagem surgiu em nós uma esperança e nos perguntamos: por que não podemos buscar também essa substância?”, disse Julio Américo.

O uso da substância é proibido no Brasil. De acordo com a Anvisa, já existe um projeto em tramitação no Congresso Nacional com o objetivo de tirar a substância de uma lista proibida para colocá-la em uma lista permitida e, a partir disto, iniciar um processo de regulamentação de uso no país.

“As leis caminham de forma muito lenta. Naturalmente a Anvisa está se cercando de todos os cuidados e meios, pois ainda não se conhece os efeitos a longo prazo desta droga. Mas acho justo que possa ser usado quando o arsenal terapêutico usado no tratamento das convulsões refratárias torna-se ineficaz sobre estrito acompanhamento médico”, explicou o presidente do Conselho Regional de Medicina na Paraíba (CRM-PB), João Medeiros.

Os pais e mães decidiram fazer um abaixo assinado para a Anvisa pedindo que o medicamento seja reclassificado e vendido no país. Eles também enviaram um requerimento para o Ministério Público Federal solicitando uma ação, para que os pacientes tenham acesso à substância.

“Primeiramente estamos em busca de comprovações que este medicamento realmente é eficaz. Em seguida, pensamos em ter juntamente com a Anvisa, a liberação para este grupo e para todas as pessoas que precisaram”, disse o procurador da república, José Godoy Bezerra de Souza.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

Não há comentários ainda, seja o primeiro a comentar!