Muito grafite e música unindo arte à liberdade de expressão em prol da legalização da maconha. O Papo Cabeça desta vez é com o Weedesigner Daniel Disaró ou como é mais conhecido “Vela420“.

Disaró, maconheiro de 29 anos, é publicitário, santista e viajado, um cara com a vibe positiva com quem tive o prazer de compartilhar uns becks e muita brisa na 2ª Copa da Maconha, no Rio de Janeiro, chega explanando neste lero um pouco mais quem ele é, o que faz e o envolvimento na luta antiproibicionista.

Vela em cena

SmokeBud – Salve Vela, apesar de já ter dado um tapa, conta aí para galera quem é o santista, raper e grafiteiro e como surgiu o nome “Vela”?

Vela – Ao contrario do que todos pensam, o apelido não tem nada a ver com Maconha… (rss). Esse apelido já vem desde muito pivete quando a molecada ficava pesando na minha falando que eu passava parafina no cabelo e pa… mas hoje em dia não tem como as pessoas não compararem com as VELAS que acendemos diariamente…

Sb – Há quanto tempo você fuma um?

Vela – Eu fumo há 15 anos

Sb – E o preconceito? Três estilos de muita polêmica e na boa parte das vezes ainda mal vistos na sociedade, o Grafite, o Raper e a Maconha, como é o assunto na roda familiar e com os demais?

Vela – O Preconceito é diário em todas as áreas… No Graffiti já tinha esse preconceito bem forte por parte de família, vizinhos e tal… Quando entrou o lance das Pinturas Canábicas só aumentou essa repressão, mas por outro lado, conheci muita gente com a mesma ideologia que a minha, que me incentivaram e me apoiam até hoje. Em relação ao RAP com o tema da maconha, a repressão vem mais por parte policial, porque até minha família já aceitou, meus amigos sabem que sou assim mesmo, e luto até o fim pela causa que eu acredito, então quem não entende isso, nem do meu lado fica.

Sb – E a ligação das suas artes, tanto no grafite e na música, com a ganja rola desde sempre?

Vela – No graffiti eu comecei com outros temas… Gostava de fazer de tudo… Desenhos, letras e tal… em 2006 comecei a me dedicar mais a esse tema canábico. Já com a música foi mais direcionado para esse tema, mas também abordando tudo que acontece no meu dia-a-dia, como graffiti, praia, rolé com os parceiros…

Art Vela 420 - 29 Body Art
Body Art

Sb – Já vimos que pra você não tem parede, porta de loja, caminhão, camisa ou mulheres esculturais certas para lançar teus traçados e cores, conta aí pra gente onde foi e qual é o seu preferido até hoje?

Vela – Hahahaha com certeza pintar na mulher é a que mais me agrada… mas são brisas diferentes, pois a adrenalina de fazer um trem, caminhão ou portas não tem comparação, mas às vezes a gente quer fazer algo com mais calma, detalhes e dedicação, aí partimos para pinturas de quadros, customização de objetos e qualquer coisa que dê para pintar…

Sb – E o ativismo Vela, como você embarcou nessa e onde você enxergou essa necessidade ou qual seria a necessidade de agregar-se à luta em prol da legalização ou regulamentação da maconha?

Vela – Foi uma coisa muito Natural… Quando eu comecei a me dedicar às artes canábicas, automaticamente comecei a buscar mais informações sobre o assunto, e cada vez mais eu vi o quanto era importante lutarmos pela descriminalização da Maconha, aí foi muito natural meu envolvimento com as Marchas Nacionais, e qualquer tipo de Evento em prol à nossa causa…

Sb – Da biqueira ou da “Plantação Clandestina”, mesmo a erva sendo ilegal, qual a importância do cultivo caseiro num aspecto geral?

Vela – Primeiramente acho que só pelo fato de você não estar dando dinheiro para um traficante, já é um ótimo motivo… mas também acredito que quando você planta sua própria erva, você tem aquela troca de energia, sintonia e uma qualidade com controle e conhecimento do que você está usando.

Sb – Vela, depois da decisão do STF em liberar as manifestações em defesa da descriminalização das drogas, temos visto um forte aumento no crescimento de diversos coletivos, em variadas cidades brasileiras lutando pela legalização da maconha, além do assunto ser mais facilmente debatido até nas redes sociais. Diante do atual cenário comparado ao passado qual a sua visão e até mesmo uma sugestão para fortalecer a luta nacional em 2014?

Vela – Sem dúvidas, foi um enorme avanço a autorização do STF em relação às manifestações. Eu gostaria muito de ver todos os usuários vestindo a camisa e indo para a rua, gritar e expor suas ideias, pois ainda temos muitos usuários enrustidos que não tem coragem de assumir e debater o assunto publicamente. Seria muito bom que os empresários, políticos e artistas lutassem com a gente, pois teríamos muito mais apoio da mídia e isso ajudaria a espalhar nossas mensagens e argumentos a pessoas leigas que ainda acham que Maconha é Droga e que você vai matar e roubar só para fumar 1… Eu ficaria muito feliz de ver esse ano o dobro de manifestantes MARCHANDO pacificamente por um mundo mais verde e livre!!!

Vela na Marcha da Maconha SP 2013
Ativismo – Marcha da Maconha São Paulo 2013

Sb – Impossível não comentar, pois é #CoisaFina e o Seiva Roxa brota mandando o recado nessa parte da militância, o som os Buddies já podem conferir na Rádio SmokeBud e em breve com uma entrevista exclusiva, mas enquanto isso, explana ae como surgiu a ideia do Seiva?

Vela – O SEIVA ROXA é uma analogia com o SANGUE AZUL das pessoas nobres. A SEIVA nada mais é do que o Sangue das Plantas… Então SEIVA ROXA seria a NOBREZA da NATUREZA, só com o que for mais “COISA FINA” e enresinada para todos os maconheiros de plantão.

Vela meu camarada satisfação plena em trocar essa ideia com você, em tempos ressalto que toda equipe #SB e os Buddies curtem as artes e sonoridades produzidas, logo para brisar o momento deixaremos abaixo o álbum do Seiva Roxa que é Coisa Fina e um pouco dos teus graffitis. Muita ganja, boas trips e claro sucesso no caminho a trilhar!

E você buddie quer fumar uma erva natural, Mota Rica, totalmente enresinada e sem dar dinheiro para o tráfico como disse o Vela420? Então vá à Marcha da Maconha de sua cidade ou da cidade mais próxima e ajude o ativismo na luta pela descriminalização da maconha. Enquanto isso, assine a petição pela descriminalização do cultivo caseiro de maconha para consumo próprio e curta o Seiva Roxa no Facebook.

Fotos do arquivo pessoal do artista.
Foto de capa por Ph Stelzer da Ganja Filmes, na 2ª Copa da Maconha no RJ

  • excelente galera! EXCELENTE!
    um abraço marofado!!!!