Maconheiros e antiproibicionistas adicionam mais uma data no calendário social canábico e realizam a Páscoa dos Excluídos. Confira e abrace a ideia!

Maconheiros e antiproibicionistas do ativismo carioca se unem há 3 anos para desmistificar o termo pejorativo dos admiradores da erva perante a sociedade. Fazem isso ao organizarem a Ceia dos Excluídos, realizada nos últimos finais de ano, levando solidariedade e conforto aos moradores de rua.

E como ser solidário é um gesto para mais de um dia do ano, os ativistas da marcha da maconha, coletivos antiproibicionistas e simpatizantes, estenderam a ação “Ceia dos Excluídos” para a semana santa, indo para a Cinelândia celebrar a Páscoa, uma data de libertação (no Judaísmo) e de ressurreição (no cristianismo), com a parcela mais excluída da sociedade: a população de rua.

Indo contra o conceito social de que maconheiro é doidão, irresponsável e criminoso, a galera da fumaça e seus apoiadores colocaram a mão na massa mais uma vez e foram para a Cinelândia, no último dia 17, proporcionar a alegria de adultos e crianças, que nem sempre possuem a oportunidade de degustar um chocolate e vivenciar momentos sem pré-julgamentos e conceitos.

A cada bombom, doce, bolo, chocolate, lanches, roupas e brinquedos entregues, vivemos a ressurreição e renovação das alegrias e esperanças dos adultos e principalmente das crianças, que muitos preferem ignorar e não enxergar no caminho do seu dia a dia. Isso também inclui o Estado que não ampara e só maltrata com sua força.

Entre os olhares curiosos dos que iam e voltavam do seu cotidiano apressado, uma senhora em especial parou e questionou sobre a ação chamando atenção:

– É dos maconheiros? – diz a senhora.
– Sim! – respondemos. De forma espontânea ela complementou, registrando a foto antes de seguir apressada:
– Ah maconheiro é sangue bom, vejo pelo meu patrão!”.

Páscoa_Excluídos_Foto_Alessandra

A Ceia dos Excluídos é um ato que serve para alertar a sociedade que existe muita gente nas ruas precisando de algum tipo de solidariedade e que não devemos ficar parados perante esta situação. A celebração também mostra que o maconheiro não é o “bicho de sete cabeças” que o proibicionismo costuma pregar. Maconheiro sou eu, você, o advogado e até o patrão. Afinal, Maconheiro é Sangue Bom!

A organização agradece a todos pelo envolvimento e apoio solidário a causa.
Venha e faça parte você também!
Acesse: //ceiadosexcluidos.org

Páscoa_Excluídos_Foto_Organização
Organização Sangue Bom!

Confira o registro da ação por Ganja Filmes

Fotos por Junior Barragan