Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Geraldo Antonio Baptista, ou Ras Geraldinho como é conhecido pelos seguidores de igreja rastafári criada em Americana (SP), não pode dar entrevista ou declaração pública por temor que ele faça “apologia ao crime”. A decisão é da penitenciária da cidade de Iperó (126 km de São Paulo), onde está preso.

Ras Geraldinho, 53, ganhou notoriedade nacional ao fundar uma seita que defende a maconha como “erva sagrada”. Ele foi condenado em maio último por tráfico de drogas a uma pena de mais de 14 anos de prisão.

Segundo a família, o líder rastafári recebe muitas cartas de solidariedade do Brasil e do mundo, principalmente de grupos defensores da descriminalização da maconha. Também foram organizadas marchas e vigílias pedindo sua libertação.

A UOL solicitou formalmente uma entrevista com Ras Geraldinho junto à Justiça e à Secretaria da Administração Penitenciária. A entrevista foi autorizada pela juíza Adriana Tayano Fanton Furukawa, da Vara de Execuções Criminais de Sorocaba (99 km de São Paulo).

Por seu lado, o detento também concordou formalmente em dar declarações para o jornalismo do UOL. Mas a direção da penitenciária e a secretaria decidiram barrar que o líder religioso condenado faça declarações públicas.

“A direção da penitenciária de Iperó negou autorização, e o gabinete do senhor secretário acatou a decisão do diretor, tendo em vista que o conteúdo da entrevista trará prejuízos à segurança da unidade”, foi a primeira resposta da assessoria de imprensa da secretaria estadual.

Já na comunicação oficial, o responsável pela prisão em Iperó vetou qualquer entrevista “por considerar o tema como apologia ao crime”.

A reportagem do UOL questionou a Secretaria da Administração Penitenciária como se poderia falar em “apologia ao crime” se a entrevista não tinha sido feita e se o condenado preconiza a droga como elemento em um culto religioso e não como comércio. A resposta da assessoria da SAP foi “coloque na sua matéria que, questionada, a Secretaria não se manifestou.”

Ras Geraldinho é o líder da “Primeira Igreja Niubingui Etíope Coptic de Sião do Brasil”. Anteriormente, ele já tinha sido detido duas vezes na sede da seita por agentes que encontraram mudas e plantação de cannabis em seu sítio no subúrbio de Americana (127 km de São Paulo).

CONFIRA DOCUMENTO COM A NEGATIVA OFICIAL

Penitenciária Proibe Ras Geraldinho Entrevista

Via, Uol

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

One comment

  • Isto se chama censura. O diretor tá com medo dele falar o que? O único que deve termer as opiniões do Ras é o crime organizado e os corruptos do sistema que ganha gordas verbas para manter uma política falida e nociva. Sabendo disso, entende-se o medo do diretor, que preferiu cometer um ato criminoso de censura.