Falamos com o organizador da Expoweed Chile 2014, Claudio Venegas, que nos contou sobre a importância do evento para a América Latina e para o ativismo verde.

Um dos principais organizadores do evento, Claudio Venegas, contou ao SmokeBud que a Expoweed Chile teve sua primeira edição em 2011 e que este ano é a maior edição do evento. A Expoweed Chile 2014 contou em sua maioria com expositores de sementes, com destaque para a holandesa Green House Seeds, pioneira no mercado desde 1985. A exposição também apresentou stands de acessórios para o uso da cannabis, como bongs e sedas, acessórios para cultivo, além de insumos para cultivar. A exposição além dos stands disponibilizou um espaço para o ativismo chileno chamado Zona Cultiva tus derechos (Zona Cultive seus direitos).

“O ativismo é o motor que move a transformação social pela qual o Chile está passando”

Claudio, que também é editor da espanhola Revista Cáñamo, no Chile, falou sobre a importância da indústria e do mercado canábico e destacou que a indústria ajuda a normalizar isso [a legalização], existe muito talento, empreendimentos, gente jovem envolvida. O ativismo gera empregos e move a economia”.

“Não é o mercado que constrói o ativismo, é o ativismo que também ajuda a construir o mercado!”

Como um dos ativistas mais antigos do Chile, Claudio lembrou a importância da primeira marcha da maconha chilena, em 1994, onde de acordo com ele “deu cara e voz aos usuários”. O Smkbd indagou ao ativista como a America Latina deveria encarar a temática da cannabis, ele aconselhou aos usuários que “saiam do armário” e complementou dizendo que “a marijuana não te faz mais inteligente ou mais honesto, há usuários que trabalham, pagam impostos, são pais de família. Estas pessoas não podem ser tratadas como criminosas”. Claudio acredita que a cannabis precisa ser compreendida pela sociedade através de muita educação, não apenas nas escolas e sim educar a sociedade sobre a erva. Ele também fez um alerta que serve para contrariar os argumentos proibicionistas, ele acredita que o uso medicinal “não é uma estratégia para alcançar o uso recreativo, pois regulamentar esse uso é uma urgência da saúde pública e se este uso abre portas, que seja bem vindo”.

Claudio Venegas – ativista e editor da Revista Cáñamo (CHILE)
Claudio Venegas – ativista e editor da Revista Cáñamo (CHILE)

Plante Informação!

COMPARTILHE
Matéria anteriorMédico da Maconha
Próxima matériaEm meio a sementes, vapor e reggae
Radialista e webjornalista de São Paulo que promove e produz informação relacionada à maconha no Brasil – [email protected]