Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Peru deve considerar a legalização da maconha, disse o ex-chefe da Comissão Nacional de Controle de Drogas do país. Uruguai tornou-se recentemente o primeiro país da América Latina a legalizar a indústria da maconha, incentivando seus vizinhos a fazerem o mesmo.

Ex-diretor da Comissão Nacional de Controle de Drogas do Peru ( DEVIDA ) Ricardo Soberon apelou para o governo a considerar a legalização da maconha em uma entrevista.

“Temos que abrir o debate com Carmen Masias, o Presidente da DEVIDA , e com a Faculdade de Medicina do Peru. Vamos abrir um fórum que trata, em primeiro lugar, com as questões de saúde e em segundo lugar com a segurança e as implicações do uso da maconha”, disse Ricardo Soberon ao site de notícias Terra. Ele disse que a legalização do mercado de maconha poderia ser uma solução para o comércio de drogas ilegais no Peru.

“A possibilidade de remover o elemento criminal do tráfico de cannabis, uma droga que é muito menos perigosa do que as outras, é a resposta para os 50 anos de repetições das mesmas estratégias sem resultados”, disse Soberon.

Leia também:  Médicos de todo o Brasil poderão prescrever derivado da maconha para uso medicinal

Em dezembro, Soberon aplaudiu a decisão do Uruguai de legalizar tanto a venda quanto produção da droga. Mais tarde, naquele mês, o presidente uruguaio José Mujica aprovou em lei a legislação que vai trazer a produção e venda de maconha sob controle do Estado.

Mujica, que propôs a legislação, sustenta que a medida vai ajudar a erradicar o mercado de drogas ilegais no Uruguai. Com isto em mente, o preço inicial da maconha será fixado em US$ 1 por grama, a cotação do preço no mercado negro é de US$ 1,40.

No Peru, o consumo de maconha é legal e um cidadão pode transportar até 8 gramas da droga sem ser penalizado. No entanto, a produção e venda de maconha ainda é ilegal sob a lei peruana.

Uruguai foi criticado após o movimento para legalizar a cannabis, pelo Controle de Narcóticos Internacional (INCB) que atacou o país, acusando-o de violar a lei internacional.

“O Uruguai está quebrando as convenções internacionais sobre controle de drogas com a legislação da cannabis aprovada pelo seu congresso”, disse o INCB, citando várias razões pelas quais acha que o Uruguai tenha cometido um erro, entre eles os riscos à saúde associados ao uso da planta.

Leia também:  "Mas é só um Baseadinho" - Maconha causa tumulto durante voo do RS para São Paulo

Raymond Yans, presidente da INCB, disse que ficou surpreso que o governo “conscientemente decidiu quebrar as disposições universalmente acordadas e internacionalmente fixadas no tratado. ”

Os comentários de Yans provocaram uma forte reação do presidente do Uruguai, que condenou as críticas como “mentiras”, acusando o INCB de duplos padrões: “Um para o Uruguai e outro para países desenvolvidos ao redor do mundo”.

Os EUA também tomou medidas para legalizar o consumo e venda da droga em alguns estados. O Colorado abriu as portas da primeira loja de maconha recreativa legal dos EUA no início de 2014, e Washington espera seguir o mesmo caminho ainda este ano.

Tradução SmokeBud, Via  RT

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here