O levantamento foi realizado pela agência Hello Research com apenas 1000 pessoas com mais de 16 anos e aponta apenas 20% a favor da descriminalização do bom e velho baseado. O SmokeBud pergunta: 1 mil pessoas não é um número muito pequeno para representar a opinião de um país com mais de 200 milhões? As informações são do Terra.

Não sei se chamo de sensacionalismo, oportunismo ou apenas uma má representação do que é realmente o Brasil. O fato é que na última semana a agência Hello Research realizou uma pesquisa em 70 cidades brasileiras com a pergunta: “Você é a favor da descriminalização da maconha?”. Os resultados apontam 58% dos brasileiros contra a liberação da maconha (47% deles totalmente contra e 11%, parcialmente).

A pesquisa também mostrou que apenas 20% dos tais brasileiros concordam com a descriminalização do bom e velho baseado. Outros 7% são parcialmente favoráveis, 12% são indecisos e outros 3% não quiseram responder. Mas será mesmo que estes resultados são o espelho da opinião brasileira sobre o assunto?

O caso é que a agência ouviu apenas 1 mil pessoas com mais de 16 anos em diversas regiões. Entendemos que o método de pesquisa escolhido foi o de amostragem – onde uma pequena parcela da população é escolhida para representar o todo –, mas não achamos que apenas 1000 pessoas possam representar mais de 200 milhões de pessoas.

Nós do SmokeBud (e todos que acompanham de alguma forma a cena canábica brasileira) sabe que a aceitação e aprovação por parte da população aumenta a cada dia. E acreditar que apenas 20% de todo o Brasil é de alguma forma favorável a uma mudança de como lidamos com as drogas – principalmente a maconha – é um pouco surreal.

A questão que envolve a descriminalização das drogas é muito polêmica e incita reflexões na sociedade civil e no governo. A pesquisa reforça a necessidade de debates, para a troca de opiniões diversas, comenta Davi Bertoncello, diretor executivo da Hello Research.

vicioo
Drogas: Regular a melhor solução

Deixamos aqui o nosso NÃO NOS REPRESENTA. Por pesquisas que entendam a verdadeira complexidade do assunto e que deem ao tema todo o respeito que ele merece.

Além da erva.
A pesquisa também questionou os entrevistados sobre a legalização de outros tipos de substâncias proibidas como cocaína e crack. Os resultados mostram que 65% são totalmente contra (57% total e 8% de forma parcial), 16% são favor, 11% nem contra e nem a favor e 2% não responderam.

 

Só para enfatizar não achamos que apenas 1000 pessoas possam representar mais de: