Quarenta por cento dos alunos da Universidade de Lisboa já consumiram canábis pelo menos uma vez na vida e o número dos que tinham consumido no último mês beira os 11%. Dados bem acima das médias da população geral, revelados no estudo Consumos e Estilos de Vida no Ensino Superior.

O estudo feito junto de mais de três mil alunos da Universidade de Lisboa, no âmbito dos projeto Consumos Acadêmicos, foi apresentado esta, na Reitoria da Universidade de Lisboa.

Para o presidente do Conselho Nacional de Juventude (CNJ), a entidade responsável pelo projeto, é preocupante que 25% dos quase 3300 jovens que responderam ao inquérito considerem que o consumo de canábis “pouco ou nada prejudicial para a saúde”.

O consumo de álcool no último mês também é significativo: 72,6% dos que responderam a pesquisa admitiram ter bebido. E vale a pena destacar que 37% dos estudantes disseram ter bebido cinco ou mais doses na mesma ocasião no mês anterior.

“Não queremos fazer nenhuma caça às bruxas, mas é importante compreender a realidade para poder minimizar os consumos nocivos”, explica o presidente da CNJ.

Para o presidente da Associação Acadêmica da Universidade de Lisboa, encara a pesquisa de forma otimista  “o consumo de drogas pesadas é insignificante”.

Quanto ao consumo de álcool, o jovem reconhece que as fraternidades de estudantes “têm de repensar a sua responsabilidade social”, nomeadamente na promoção de festas. “Não vamos deixar de fazer festas, mas precisamos repensar o seu funcionamento e a política de danos.”

André Machado destaca também que 46,7% dos jovens disseram que o seu estilo de vida se tornou menos saudável após a entrada na universidade. Apenas 40% dos que responderam ao inquérito praticam esportes regularmente.

Via: Diário de Notícias Portugal