Quem quer consumir maconha precisa ter duas coisas ou muitos amigos ou muito dinheiro e na ilegalidade o custo aumenta… Segundo o Cannabis Price Index de 2018, o país asiático é o lugar mais caro do mundo para se comprar um grama de flores, em Tókio uma grama da planta custa US$ 32,66. Quito, no Equador, está no outro extremo da lista: na cidade, é possível comprar a droga por US$ 1,34 a grama.

O estudo, realizado pela empresa Seedo, estudou o preço da maconha em 120 cidades em todo o mundo. A companhia, que produz máquinas automáticas para o cultivo da planta, defende a legalização do uso recreativo e medicinal da droga. Para isso, calculou o quanto os governos ganhariam em receita de impostos ao permitir a venda e posse de maconha. Nova York, segundo o levantamento, seria a cidade mais beneficiada pela legalização, podendo ganhar US$ 156,4 milhões por ano, considerando a estimativa de consumo de 77,4 toneladas por ano e um preço de US$ 10,76 por grama.

Leia também:  Comissão parlamentar aprova projeto de lei para legalizar maconha no Uruguai

Duas cidades brasileiras foram consideradas no levantamento. São Paulo fica em 97º lugar considerando o preço da droga – de US$ 6,38 por grama. Na cidade, o consumo total é de 16,55 toneladas ao ano. Se a maconha fosse legalizada e houvesse a mesma incidência de imposto que na venda de cigarros, a cidade ganharia US$ 68,55 milhões ao ano. No Rio de Janeiro, que ficou em 107º lugar na lista por preço, cada grama da droga custa US$ 5,11. O consumo anual é estimado em 8,69 toneladas por ano. Taxas sobre a venda poderiam render ao governo carioca US$ 28,82 milhões por ano.

Leia também:  Investidores do Facebook apostam em mercado de maconha

Veja na lista abaixo as cidades onde é mais caro e mais barato comprar maconha

Mais caras
1. Tóquio
2. Seul
3. Quioto
4. Hong Kong
5. Bangkok
6. Dublin
7. Tallinn
8. Xangai
9. Pequim
10. Oslo

Mais baratas
1. Quito
2. Bogotá
3. Assunção
4. Jacarta
5. Cidade do Panamá
6. Joanesburgo
7. Montevidéu
8. Astana
9. Antuérpia
10. Nova Delhi

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here