Congresso uruguaio aprovou na última semana projeto que prevê o controle de todo o processo de venda e produção da droga

O presidente uruguaio, José Mujica, disse nesta terça-feira que está disposto a voltar atrás, se o consumo de maconha crescer de forma desordenada no país após a legalização de sua produção e distribuição.

“Esta é uma experiência”, disse Mujica em uma entrevista concedida à AFP. “Como toda experiência, naturalmente há um risco e temos que ter a inteligência de, se passar por cima de nós, voltarmos atrás. Não temos que nos fanatizar”.

“Nós temos que pedir ajuda à comunidade internacional”, acrescentou o presidente do Uruguai, admitindo que seus vizinhos Argentina e Brasil “devem estar preocupados” com o projeto uruguaio, “mas também devem vê-lo com avidez”.

Saiba mais…
Uruguai: grama de maconha legal vai custar U$$2,5
Mujica defenderá na ONU a legalização da maconha

Mujica enfatizou que o objetivo não é uma liberalização total da maconha, mas que seja controlada pelo Estado, e destacou que o governo planeja endurecer as penas de prisão para aqueles que cultivarem maconha sem serem registrados. “Não tenha dúvida”, disse Mujica. “Se não estiver registrado, vamos ter que endurecer as penas”.

Camara UruguaiaO Uruguai deu na semana passada um passo para a legalização da maconha, depois que a Câmara dos Deputados aprovou um projeto que, se for aprovado pelo Senado, fará do Estado uruguaio o primeiro no mundo a assumir o controle de todo o processo de produção e venda da droga.

O projeto de lei -lançado em junho de 2012 como parte de uma série de medidas para combater o aumento da violência- estipula que o Estado assuma o controle e a regulação da importação, do plantio, do cultivo, da colheita, da produção, da aquisição, do armazenamento, da comercialização e da distribuição de maconha e seus derivados.

Após se registrar, o usuário poderá comprar até 40 gramas de maconha por mês em farmácias, mas também será permitido o cultivo próprio e em clubes de membros.

Via AFP/EM