Ativistas brasileiros e uruguaios realizam Marcha Binacional pela regulamentação da Cannabis na fronteira

Confira como foi o ato que começou no Brasil e terminou no Uruguai, onde até o fim do ano regulamentará todo o processo da maconha. A informação é via Coletivo Princípio Ativo confira.

Na tarde desse sábado, 16 de novembro de 2013, aconteceu a Primeira Marcha Binacional pela regulamentação da Cannabis, entre Brasil e Uruguai. Na fronteira dos dois países, a união de ativistas e simpatizantes do movimento antiproibicionista internacional foi um marco para a causa canábica latino-americana.

A presença de cerca de 120 policiais do lado brasileiro que lotavam o local marcado para o início do evento causou apreensão na maioria dos ativistas e participantes envolvidos. Um efetivo maior do que os vistos nas marcha de Porto Alegre, em todas as suas edições, a formação acabou sendo apenas um suporte para acompanhar os militantes até a fronteira, onde se posicionaram enfileirados do lado brasileiro e ficaram assistindo a festa promovida do lado uruguaio com o uso não problemático da planta que estava em destaque no evento.

Diversos grupos se fizeram presentes: do Brasil, o Coletivo Princípio Ativo se juntou ao Movimento Fronterizo e aos irmãos da Movida Canábica, da cidade de Florida, Uruguai; da Movida Canábica de Tacuarembó; da Cordinadoria Nacional pela regularización del Marihuana; da AECU – Asociación de Estudios del Cannabis del Uruguay, entre outros coletivos que já atuam pedindo a legalização do cultivo no país vizinho.

Muita troca de ideias e descontração entre os participantes deram o tom crítico, mas bem humorado, que segue as manifestações que tratam do assunto. Os representantes dos coletivos consideram que a Primeira Marcha Binacional pela Regulamentação da Cannabis pode ser o primeiro passo numa união de todos os ativistas da América Latina, para a organização e realização de ações conjuntas, dando maior visibilidade ao tema através de ações que pensem muito além do limite territorial de cada país. Os danos da proibição são vistos em todos os países onde o uso é considerado crime e, por isso mesmo, deve ser tratado de forma global para que o mercado de ilícitos e suas corrupções não tenham mais nenhuma relação com a tão estimada planta.

Como primeiro ato conjunto, inspirado em uma intervenção do movimento antiproibicionista uruguaio – que no dia da votação do projeto de lei que pode legalizar o cultivo caseiro de canábis espalhou cartazes e faixas na cor verde, chamando a atenção de todos para a votação, no que foi chamado de Amanecer Verde – os grupos partem para a realização de uma ação conjunta, o Amanecer Verde em América Latina. A intervenção consiste em difundir mensagens sobre o tema através de intervenções artísticas, uso de roupas e acessórios verdes, balões e faixas espalhadas pelos principais pontos de cada cidade onde houver um simpatizante da causa antiproibicionista mundial. A ação acontece entre os dias 5 e 10 de dezembro, período em que o Senado Uruguaio votará o projeto de lei que regulamenta a canábis.

Venha e participe, caso sua cidade não tenha um “Amanecer Verde”  organize um!

Acesse e divulgue o evento no Facebook e outras redes sociais e junte-se a um movimento que não para de crescer assim como as crescentes descobertas de benefícios da canábis, planta tão pouco compreendida pela maioria da população.

Confira mais fotos da Primeira Marcha Binacional pela regulamentação da Cannabis, no site do coletivo Princípio Ativo ou na Fan Page da Movida Cannábica Tacuarembó

  • luis menezes

    mais q linda a titude da galera é uma pena que eu estava longe demais mais d 600km gostaria de ter participado mais isso é muito bom para q os brasileiros se interem o quanto é benefico e saludar fuma r canabis