O pioneirismo do Uruguai pode ser apenas o começo de uma nova onda global para repensar a questão da cannabis. Enquanto o cerco fecha contra um assassino que já vitimou mais que duas Guerras Mundiais, produtores de tabaco estão temerosos com a legalização uruguaia. Afinal, entre a maconha legal e o gosto amargo do tabaco, muitos trocarão seus hábitos – o cigarro pela erva – trazendo até uma melhoria na saúde da população. As informações são da EFE via Exame.

Produtores consideram incongruente o fato de que o país legalize a erva e ao mesmo tempo adote uma severa legislação contra o tabaco

Os produtores de tabaco de todo o mundo, estiveram reunidos em um evento na cidade de Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, consideram incongruente o fato de que o Uruguai legalize a maconha e ao mesmo tempo adote uma severa legislação contra o tabaco.

“Para mim é o exemplo mais taxativo do nível irracional ao qual chegou o debate sobre o tabaco. Dizer que a maconha não causa danos e tentar proibir o cigarro não faz sentido”, disse à Agência Efe o diretor-executivo da Associação Internacional de Cultivadores de Tabaco (ITGA, na sigla em inglês), o português Antonio Abrunhosa.

Os produtores consideram ainda mais incongruente que vários setores aplaudam a legalização da maconha no Uruguai ao mesmo tempo em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) faz esforços para restringir cada vez mais o consumo de tabaco.

“Duvido que algum estudo científico demonstre que fumar maconha não traz danos e que fumar cigarros, sim”, acrescentou.

Para o diretor da ITGA, a situação no Uruguai é tão surrealista como a de Amsterdã, onde cafés especializados permitem aos clientes fumar maconha, mas proíbem o consumo de tabaco.

“É algo que não passa pela cabeça de alguém que tenha um mínimo de bom senso”, declarou.

O executivo disse considerar que o presidente do Uruguai, José Mujica, foi mal assessorado a respeito e que se transformou em vítima da informação enganosa divulgada por interesses comerciais.

“Acho que Mujica se deixou levar por argumentos nos quais realmente não acredita”, afirmou.

Para o representante da ITGA, os esforços para proibir o tabaco são impulsionados por empresas da indústria farmacêutica interessadas em oferecer alternativas aos cigarros.

“Trata-se de uma guerra comercial. Uma guerra da indústria farmacêutica que quer vender seus produtos. Muitas das campanhas contra o tabaco são financiadas por empresas que há anos tentam vender substitutos ao tabaco e para isso necessitam que o tabaco seja proibido”, comentou.

Segundo Abrunhosa, o mais grave é que uma agência da ONU como a Organização Mundial da Saúde (OMS) tenha caído nessa armadilha.

“É uma campanha promovida com argumentos de saúde, mas quando sai uma decisão como esta de Mujica (de legalizar a maconha) se mostra que realmente não é a saúde o que lhes preocupa”, assegurou.

Os membros da ITGA discutirão até quarta-feira na cidade de Santa Cruz do Sul sua posição perante a Sexta Conferência das Partes (COP-6) dos países assinantes do Convênio Marco para o Controle de Tabaco da OMS que será realizado na Rússia em outubro.

Na COP-6 serão discutidos os artigos 17 e 18 do Convênio Marco que preveem a redução dos cultivos de tabaco.

O Uruguai, um dos assinantes do Convênio Marco, anunciou medidas para restringir a promoção do tabaco na semana passada que coincidiram com a entrada em vigor da regulamentação que autoriza o cultivo e a comercialização da maconha no país.

O governo alega que as medidas adotadas fazem parte das determinações da Convenção Marco da OMS, com as quais o Uruguai se comprometeu.

O Uruguai, ao mesmo tempo, enfrenta desde 2010 em um tribunal de arbitragem do Banco Mundial um processo contra o Estado apresentado pela tabacaria Philip Morris e que questiona algumas das medidas antitabaco adotadas sob o governo do ex-presidente Tabaré Vázquez (2005-2010).

Após o encontro que teve ontem com o presidente americano, Barack Obama, em Washington, Mujica afirmou que na reunião não se falou nada sobre a maconha, mas sobre a política antitabaco do Uruguai.

“Estão morrendo oito milhões de pessoas ao ano por fumar no mundo; isto supera a Segunda Guerra Mundial e a Primeira, é um assassinato em massa. No Uruguai estamos em uma briga dura, duríssima, e temos que lutar contra interesses muito fortes”, disse Mujica em entrevista coletiva conjunta com Obama.

No Uruguai na mesma semana que se restringi mais a promoção do tabaco, coincide com a entrada em vigor da lei de regulamentação que autoriza o cultivo e a comercialização da maconha no país.