Dr. André Barros, Advogado da Marcha da Maconha, relata no texto desta semana o ato de um coletivo que investe na ocupação de espaços públicos como forma de expressão política e na sua recente investida, no dia 13, o Coletivo Projetação levou até a Praça São Salvador, no Rio de janeiro, a exibição do filme ILEGAL.

Durante as manifestações de junho de 2013, na intenção de colocar de outra maneira as criativas mensagens escritas em pequenos cartazes, um grupo começou a projetar imagens nas paredes dos prédios: nascia, assim, o Coletivo Projetação. A ação teve pronto apoio da galera e daí não parou mais.

Com um notebook, um projetor, um telão ou superfície branca e, principalmente, a vontade de curtir plenamente a vida política, o coletivo vem ocupando os espaços públicos com fortes mensagens. Na resistência do museu da Maré, na denúncia do desaparecimento de Amarildo, na luta pela liberdade de Rafael Braga, no Ocupa DOPS, no Ocupa Golfe, no Alemão, na Manifestação, na luta contra o racismo e o sistema penal da polícia militarizada, o Coletivo Projetação se faz presente. Depois de várias projeções da planta da paz em prédios, o Coletivo agora está dentro da luta pela legalização da maconha.

15897063261_10b9f62a07_o
Projetação na Cinelândia exibindo o filme Ilegal no ato do dia 27 de novembro de 2014

Depois de projetar o filme ILEGAL na Cinelândia, no dia nacional pela legalização da maconha medicinal, ontem, 13 de janeiro de 2015, o Coletivo Projetação passou o maravilhoso filme em sessão pública de enorme sucesso na libertária praça São Salvador. O filme trata da luta de mães e pais para que a ANVISA autorize a importação do CBD, o canabidiol. O remédio é uma das substâncias da maconha, que vem realizando verdadeiros milagres em crianças que sofrem terríveis convulsões e doenças gravíssimas.

Na praça lotada de gente assistindo ao filme e falando de maconha, o astral estava ótimo. Como nossa luta, no fundo, é contra o sistema racista repressivo, que historicamente no Rio de Janeiro, em regra, prende e condena jovens, negros e pobres, a polícia apareceu, circulando pela praça e empunhando seus fuzis. Enquanto estiveram no local, o clima ficou pesado, mas não conseguiram estragar o ato, já que as pessoas não deram a menor bola para eles. Sentiram que não estavam agradando, sofreram o enfrentamento dos midiativistas e saíram para felizmente voltar a paz total.

A Marcha da Maconha de 2015 vai crescer com a participação do Projetação. Além de várias sessões públicas do filme ILEGAL agendadas, o Coletivo vai divulgar a Marcha com suas sensacionais ações de projeção nas paredes dos prédios de toda a cidade. Sugiro então uma mensagem convocatória: NÃO TENHA VERGONHA, VEM PARTICIPAR DA MARCHA DA MACONHA.