O movimento pela legalização da maconha está crescendo em Nova York, maior cidade americana e um dos grandes centros progressistas do país. O vizinho Estado de Nova Jersey já legalizou o uso medicinal em 2010, mas a divisão política no Congresso Estadual de Nova York ainda é vista como uma barreira.

Um porta-voz da senadora estadual Liz Krueger disse que ela planeja propor a legalização ainda este ano. Também existem várias outras propostas em discussão no Estado, como um projeto de lei para permitir o acesso a pacientes muito doentes ou reduzir as prisões por porte de maconha, consideradas ilegais e racistas por muitos. John Liu, controlador financeiro da cidade de Nova York, apresentou na sua campanha para prefeito uma proposta para legalizar a tributar a maconha do mesmo jeito que o álcool.

“Apesar do apoio amplo da opinião pública em Nova York a essas reformas, elas ainda precisam passar pelo Congresso Estadual, profundamente dividido politicamente. Diferentemente de Colorado e Washington, Nova York não tem um processo de referendo que permita votar diretamente nessas propostas”, conta Julie Netherland, vice-diretora estadual da Drug Policy Alliance, uma ONG que luta para reformar as leis americanas contras as drogas. O objetivo da entidade em Nova York é afastar a abordagem do viés criminalizante e aproximá-la da estratégia de tratamento e prevenção do vício.

A maconha medicinal começa a se consolidar em Nova Jersey, que tem áreas integrando a Região Metropolitana de Nova York. A empresa sem fins lucrativos Compassionate Care Foundation, Inc. recebeu mês passado autorização do Departamento de Saúde de Nova Jersey para cultivar maconha num armazém.

Segundo dados oficiais, cerca de 1.000 pacientes e 223 médicos já se inscreveram no programa em Nova Jersey. O Terra noticiou que o governador Chris Christie também anunciou que não vetará uma proposta para permitir que crianças doentes usem maconha medicinal.

Um músico gaúcho que mora em Nova York desde 2009, e tem acompanhado os últimos acontecimentos no país, acha que a legalização é uma questão de tempo. Pedindo anonimato, ele disse ao Terra que “há em NY um movimento social muito forte em prol da legalização e taxação da maconha, não apenas por parte dos usuários, mas do público em geral.”

Embora a maconha ainda seja ilegal, ele percebe uma certa indiferença por parte da polícia. “Ser preso não é mais uma possibilidade para quantidades pequenas de maconha, mas ainda há a chance de ser levado para uma delegacia e ter que pagar uma multa. Não é tanta incomodação quanto ser preso mas ainda é um estorvo e uma intromissão desnecessária do Estado na liberdade individual do cidadão.”

Via: Terra