Em ascensão nos EUA, setores seduzem com salários estáveis. Oportunidades estão nos diversos elos da cadeia de negócios da erva: há agricultores, cortadores, gerentes e budtenders. Contadores, advogados e executivos de marketing também são seduzidos pela vanguarda de um movimento que deve atingir o país inteiro. As informações são do O Globo.

Bruce Nassau fez fortuna no mercado de televisão a cabo do Colorado. Agora, ele vê oportunidades na legalização da maconha. Nassau e seus sócios têm quatro lojas, com cerca de 75 funcionários, que servem a erva com finalidade medicinal e recreacional, e está abrindo a quinta unidade nesta semana. Ele espera ter cerca de 90 empregados até janeiro. Aos 61 anos, Nassau também está se associando a empreendedores na esperança de entrar no mercado de marijuana medicinal no Illinois e em Nevada.

No último dia 4, terça-feira, os eleitores do Alasca, Oregon e do Distritro de Columbia aprovaram a legalização do uso recreacional da maconha, seguindo o caminho trilhado pelo Colorado e Washington em 2012. Nesses dois estados, as vendas começaram no início deste ano. O produto é permitido em 23 estados americanos e está fomentando negócios legítimos e postos de trabalho.

Em Chicago, no Illinois, um dos 23 estados que permitem a comercialização de maconha, uma palestra sobre a indústria de maconha medicinal, realizada durante uma feira de empregos, atraiu aproximadamente 200 pessoas. O evento foi organizado por Todd Mitchem, de 43 anos, praticamente um veterano do setor no Colorado, onde a o uso medicinal da erva foi legalizado no ano 2000. Duas outras feiras de empregos em Denver, neste ano, concentraram 3.000 interessados em 650 vagas, diz Mitchem.

DADOS ENGATINHAM

As oportunidades estão nos diversos elos da cadeia de negócios da maconha: há agricultores, cortadores, gerentes e “budtenders”, uma corruptela de bartender e buddy (amigo, em inglês). Contadores, advogados e executivos de marketing também são seduzidos pela vanguarda de um movimento que deve atingir o país inteiro.

— É um setor completamente novo. É inacreditável — diz Nassau. — E há muitos, muitos empregos.

O potencial de criação de postos de trabalho ainda é tema de debate, mas os dados começam a ser coletados no Colorado. Negócios envolvendo o cultivo, a produção e a venda de maconha para finalidades medicinais e para uso recreativo empregaram 3.523 pessoas no Colorado nos três primeiros meses deste ano, incremento de 14,2% desde o fim de 2013, conforme dados compilados pelo Departamento de Trabalho e Emprego do Colorado. Conforme o fisco local, os primeiros nove meses após a legalização da erva no estado, mais de 12 mil residentes conseguiram licença para se empregar diretamente no segmento.

— Nós estamos nos primeiros nove meses de um processo de dez anos — afirma Nicholas Colas, chefe de estratégia de mercado da corretora ConvergEx Group, em Nova York, para comparar: — Nem começamos a jogar, ainda estamos no estacionamento.

Entre junho e outubro, a ConvergEx pesquisou dez lojas, a maioria em Dever e Boulder, e descobriu que os negócios seguem firmes, com algo entre cem e 300 clientes por dia que gastam entre US$ 50 e US$ 100 Por transação. A demanda mensal consistente está criando “empregos bons e estáveis”, assegura Cola.

Graduado na Universidade Estadual do Arizona, Chad Drew, de 38 anos, trabalhou por quatro anos no setor de maconha medicinal no Colorado. Mas, em 2012, deixou o emprego para trabalhar na área de venda de publicidade numa rádio, função que mais relacionada à sua formação. Porém, um ano depois, ele percebeu que seu novo emprego não era tudo que esperava. Obteve licença para trabalhar com a erva e, em janeiro, foi contratado como budtender pela Evergreen Apothecary, vendendo maconha e explicando seu uso a consumidores, ao custo de US$ 10 por uma hora. Agora, ele é assistente da gerência e ganha cerca de US$ 14 por hora. Diz que está grato por ter salário estável em vez de ser comissionado. Amigos perguntam como entrar neste mercado, e a resposta depende muito da expansão das lojas.

JOVENS PROFISSIONAIS

Os números, contudo, não satisfazem o economista Jeffrey Miron, da Universidade de Harvard, que advoga pela legalização há mais de uma década. Miron, que também é diretor de estudos econômicos do Instituto Cato, em Washington, publicou recentemente um artigo sobre os efeitos da política para a maconha no Colorado.

No que é a primeira parte de um estudo de longo prazo, ele analisou o Produto Interno Bruto (PIB, conjunto de bens e serviços produzidos) e renda per capita no estado e disse que não há evidências impíricas de que a maconha medicinal estimou a economia ou criou postos de trabalho. A força de trabalho do setor é formada por pessoas oriundas de outros empregos ou do mercado ilegal, diz Miron, frisando que não há casos verossímeis de mudanças no mercado de trabalho da região.

John Hudak, pesquisador do Instituto Brookings, destaca que o setor está oferecendo oportunidades especialmente para os jovens.

— Isso pode ser um dado realmente positivo num estado que está tentando encontrar postos de trabalho para os jovens, e para uma indústria que não exige nível universitário para se obter um emprego.

John Heffelman, de 29 anos, se mudou para o Colorado em março a fim de “começar uma nova vida” no setor de maconha. Ele já havia trabalhado, por cinco anos, em cozinhas de restaurantes em Nova York, ganhando US$ 13 por hora. Em Denver, passou a picar a erva por US$ 10 a hora no Medicine Man, uma loja de propriedade familiar que foi escolhido como assunto de um reality show na TV. Em seis meses, ele foi promovido a assistente de liderança em seu setor e passou a ganhar US$ 14 por hora num ambiente que descreve como “zero estresse”.

Para Nany Kole, de 22 anos, um emprego como “budtender” em Boulder permite pagar as contas. Ela lutou para encontrou uma vaga em escritórios de arquitetura depois de obter seu diploma na Universidade do Colorado, em maio, mas encontrou apenas firmas que desejam profissionais mais experientes. O trabalho resolveu as coisas por hora, mas a jovem não abriu mão da carreira como arquiteta, no longo prazo.

trabalho

SALÁRIOS

Os salários no setor costumam ser de US$ 10 por hora, acima do salário mínimo no estado (US$ 8), e sobe na medida em que se escalam novas posições. O ganho semanal médio foi de US$ 555 no primeiro trimestre, de acordo dados do governo. As cifras atraíram pessoas como Josh Cusack, de 41 anos, que estava desempregado em 2010, quando conseguiu emprego numa loja de maconha medicinal, com salário de US$ 10 por hora. Agora, ele é gerente da Evergreen Apothecary e ganha quase US$ 20 por hora. Embora diga que tinha salário melhor em seu campo de trbalho original, ajudar os usuários de maconha medicional lhe deu a oportunidade de fazer algo apaixonadamente.

O próprio Cusack é usuário de maconha com fins medicinais devido à artrite:

— A invalidez é uma parte real do meu futuro, e estou apenas aproveitando enquanto posso, enquanto meu corpo me permitir fazer as coisas — afirma. — Não tem preço ir trabalhar e sair de lá com um sorriso no rosto.

ILEGALIDADE

O que começou como uma iniciativa para ajudar enfermos está amadurecendo para um negócio racional, que busca ganhos atraindo empreendedores e profissionais, diz o advogado Dan Riffle, ex-diretor do Projeto de Política para Marijuana. Mas, embora as companhias já estejam de olho na criação de marcas nacionais, o maconha continua ilegal pelas leis federais. Além do mais, a regulação varia conforme o município ou estado, tornando a expansão dos negócios desafiadora. No ano passado, o Departamento de Justiça disse que não desafiaria a legalização pelos estados, desde que as autoridades locais impeçam a distribuição interestadual e o acesso de menores, além de evitar que motoristas dirijam sob efeito da droga.

Mesmo com as restrições, a expectativa é de demanda crescente. Bruce Nassau, o ex-executivo do setor de TV a cabo, disse que foi atraído pelo mercado de maconha, há quatro anos, porque viu no setor o mesmo “potencial de consumo que havia para TV a cabo”. No novo ramo, ele começou como investidor e, gradualmente, foi assumindo a chefia do empresa. Além de se relacionar com as autoridades e outros empreendedores, ele também se anima ao ver seus jovens sócios se desenvolverem nos negócios.

— Não tem nada igual — avalia. — Quantas vezes você tem a chance de participar da criação de um setor completamente novo?

  • Bryan Menezes

    Sonho em. Ano q vem vou colar lá na Califórina, conhecer o lugar, quem sabe eu n fique, ou ent eu volto com a mente expandida de tanto conhecimento.