A reação conservadora veio com Nixon e a ‘guerra às drogas’, que Reagan transformou em política de Estado, com os resultados desastrosos que se conhece

No início do século XX, a indústria farmacêutica propagandeava as virtudes do ópio e da cocaína, puros e em vários remédios, para diversas finalidades, que eram consumidos livremente pela população, de crianças a idosos. Mas assim como não há registros da eficácia curativa dos remédios, também não há notícias de intoxicações e overdoses, e a ideia de “dependente de drogas” não existia.

Aracy de Almeida contava que, nos anos 30, se reunia com Noel Rosa, Mário Reis e outros artistas na Taberna da Glória e, quando a noite avançava e o cansaço chegava, mandavam um moleque à farmácia buscar “um bujãozinho de cocaína da Merck suíça”, que era vendido legalmente no Brasil até 1937.

Depois do desastre da proibição do álcool nos Estados Unidos, que não diminuiu o consumo e fez crescer o crime organizado com o tráfico de bebida, em 1933, no fundo da Grande Depressão, o Congresso liberou geral. Ópio e cocaína nas farmácias, álcool e maconha nos bares e clubes. Seis anos depois, com a economia melhor e sob pressões religiosas, veio a nova proibição. Mas drug addict não era uma expressão corrente, embora todas estivessem ao alcance de todos.

Drogas sempre existiram, mas quando e como o consumo abusivo virou uma epidemia comportamental? Talvez nos anos 60, quando os hippies promoveram a cultura do LSD e da maconha, que eram associados ao ócio e à improdutividade, ao comportamento antissocial e à sensualidade pagã. A reação conservadora veio com Nixon e a “guerra às drogas”, que Reagan transformou em política de Estado, com os resultados desastrosos que se conhece e que fizeram tantos países repensar essa estratégia. Hoje a venda de maconha “medicinal” é livre em vinte estados americanos. Como no inicio do século XX.

No Uruguai, ela será comercializada pelo Estado, a preços populares (um terço da cotação atual na rua), mas sujeita a inúmeras, e inúteis, restrições. Estrangeiros não podem comprar, só fumar, e os locais têm cota mensal de 40 gramas, mas podem vender a um amigo. Só 30% da população apoiam, mas o tabu foi quebrado e a experiência deles será uma pesquisa valiosa para nós.

Via Jornal O Globo
Opinião do Editorial do Jornal O Globo!