Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A reação conservadora veio com Nixon e a ‘guerra às drogas’, que Reagan transformou em política de Estado, com os resultados desastrosos que se conhece

No início do século XX, a indústria farmacêutica propagandeava as virtudes do ópio e da cocaína, puros e em vários remédios, para diversas finalidades, que eram consumidos livremente pela população, de crianças a idosos. Mas assim como não há registros da eficácia curativa dos remédios, também não há notícias de intoxicações e overdoses, e a ideia de “dependente de drogas” não existia.

Aracy de Almeida contava que, nos anos 30, se reunia com Noel Rosa, Mário Reis e outros artistas na Taberna da Glória e, quando a noite avançava e o cansaço chegava, mandavam um moleque à farmácia buscar “um bujãozinho de cocaína da Merck suíça”, que era vendido legalmente no Brasil até 1937.

Depois do desastre da proibição do álcool nos Estados Unidos, que não diminuiu o consumo e fez crescer o crime organizado com o tráfico de bebida, em 1933, no fundo da Grande Depressão, o Congresso liberou geral. Ópio e cocaína nas farmácias, álcool e maconha nos bares e clubes. Seis anos depois, com a economia melhor e sob pressões religiosas, veio a nova proibição. Mas drug addict não era uma expressão corrente, embora todas estivessem ao alcance de todos.

Drogas sempre existiram, mas quando e como o consumo abusivo virou uma epidemia comportamental? Talvez nos anos 60, quando os hippies promoveram a cultura do LSD e da maconha, que eram associados ao ócio e à improdutividade, ao comportamento antissocial e à sensualidade pagã. A reação conservadora veio com Nixon e a “guerra às drogas”, que Reagan transformou em política de Estado, com os resultados desastrosos que se conhece e que fizeram tantos países repensar essa estratégia. Hoje a venda de maconha “medicinal” é livre em vinte estados americanos. Como no inicio do século XX.

No Uruguai, ela será comercializada pelo Estado, a preços populares (um terço da cotação atual na rua), mas sujeita a inúmeras, e inúteis, restrições. Estrangeiros não podem comprar, só fumar, e os locais têm cota mensal de 40 gramas, mas podem vender a um amigo. Só 30% da população apoiam, mas o tabu foi quebrado e a experiência deles será uma pesquisa valiosa para nós.

Via Jornal O Globo
Opinião do Editorial do Jornal O Globo!

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here