Canabinoides Farmacêuticos, Sativex e GW Pharma, se você não ainda não ouviu falar deles com certeza em breve irá. Apesar de ser uma opção ainda não é a solução, com um alto custo de importação e toda burocracia para liberação, conheça um pouco mais do spray à base de maconha, rico em THC.

No Brasil ainda pode ser uma novidade, mas um certo número de produtos farmacêuticos têm sido desenvolvidos com ingredientes a partir da maconha e já estão em uso pelo mundo. Eles incluem comprimidos de THC sintético e extratos à base da planta.

A maior parte destes fármacos têm as mesmas propriedades farmacológicas e efeitos colaterais da maconha. Ao contrário de planta in natura, eles vêm em doses padronizadas e passaram por uma extensa pesquisa.

A disponibilidade do uso médico da maconha varia a cada país. Em muitos casos, medicamentos como o Sativex são a única opção legal para os pacientes que procuram tratamento à base de maconha.

Abaixo apresentamos o Sativex, medicamento à base de THC que teve sua importação recentemente autorizada pela justiça brasileira, que apesar da vitória para importação pode ter de uma grande barreira que é o custo elevado para financiar um tratamento, o que pode inviabilizar o acesso de muitos.

Aperte e leia: Importação de Sativex traz esperança, mas ainda não é a melhor solução. Saiba por quê.

Sativex (nabiximols) é um spray oral à base de maconha. É a primeira droga feita com ingredientes extraídos da planta. Sativex contém uma proporção igual de 1:1 de THC e CBD. Além disso, contém uma variedade de outros compostos encontrados na cannabis.

Sativex é administrado como um spray bucal. Os ingredientes ativos são absorvidos através das mucosas internas da boca. Como um resultado, ele entra na corrente sanguínea mais rapidamente do que outras formas orais de absorção dos canabinóides.

Sativex foi desenvolvido por uma empresa britânica chamada GW Pharmaceuticals. A empresa recebeu um certificado exclusivo, emitido pelo governo britânico em 1998, para cultivar maconha para fins de medicinais

Sativex é vendido em vários países representados pelas grandes farmacêuticas como a Bayer, Novartis, Ipsen, Almirall e Otsuka Pharmaceuticals.

Uso Médico

Sativex é aprovado em mais de 24 países para o tratamento da Esclerose Múltipla e espasmos. Também é aprovado em alguns países para controlar a dor.

Usos não aprovado

O Sativex não está disponível nos Estados Unidos. No entanto, ele aguarda a aprovação da FDA para o tratamento de dor oncológica. A GW Pharmaceuticals espera receber a aprovação para o Sativex da FDA em 2015.

Sativex também tem se mostrado promissor no tratamento das seguintes condições:

Artrite – Um pequeno estudo descobriu que o Sativex pode reduzir a dor e melhorar a qualidade do sono em pacientes com artrite reumatóide.

A dor neuropática – Estudos indicam que o  Sativex pode reduzir a dor em pacientes com dor neuropática de diversas causas.

Disfunção da bexiga – Um pequeno estudo descobriu que o Sativex pode reduzir os sintomas da bexiga em pacientes com Esclerose Múltipla.

Lesão da medula espinhal – Alguns estudos descobriram que o Sativex pode aliviar as dores, espasmos e melhorar a qualidade do sono em pacientes com lesão medular.

Aproveite e confira a bula do medicamento fornecido em Portugal, clique aqui.

sativexpack

Linha do tempo 

2005 – Aprovado e lançado no Canadá para o tratamento da dor neuropática em portadores de esclerose múltipla.

2007 – Aprovado no Canadá para a dor oncológica.

2010 – Aprovado e lançado no Reino Unido para tratamento de esclerose múltipla e espasmos. Aprovado também no Canadá.

2011 – Lançado na Alemanha, Espanha e Dinamarca para esclerose múltipla e espasmos.

2012 – Lançado na Noruega e Israel para esclerose múltipla e espasmos.

2013 – Lançada na Áustria, Suécia, Itália e Polônia para escleros múltipla e espasmos. Transferida da lista de classificação 1 para lista 4 no Reino Unido

2014 – Concedido FDA designação Fast Track para a dor oncológica / Parceria com o Laboratório Ipsen para distribuição na América Latina / Autorizado judicialmente sua importação a pacientes no Brasil e no Chile