A Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado realiza na próxima quarta-feira (10) Audiência Pública da SUG 10, debatendo o artigo 2º da lei de drogas, 11.343/2006. Dr. Elisaldo Carlini é um dos convidados a mesa de debate.
Convocamos você para a próxima audiência no Senado sobre o cultivo medicinal da maconha. O resultado deste debate pode definir meios mais simples e de custos reduzidos ao uso medicinal da erva. Saiba como participar!
Acompanhe ao vivo pelo canal do Senado Federal no Youtube

https://www.youtube.com/watch?v=5Ytq4yZqPCg

O uso medicinal da maconha, mesmo que timidamente, continua avançando no Brasil. Entretanto, mesmo com prescrição médica e com autorização da Anvisa para importação, muita gente ficará sem a opção de tratamento a base dos derivados da cannabis. Uma solução para reduzir o alto custo de importação, taxas e toda burocracia, é a pronta autorização da União para o cultivo caseiro, no país.

Por isso, em mais um movimento – o terceiro no assunto, através do portal e-cidadania – o tema chegou e será debatido no Senado Federal.

Maconha é remédio 10kApós a proposta pública “Maconha é remédio. E agora?” receber os 10 mil apoios necessários, no Portal e-Cidadania, a CE (Comissão de Educação, Cultura e Esporte) debate no dia 10 de dezembro o Parágrafo Único do Artigo 2º da Lei 11.343 de 2006 (atual lei de drogas), que permite à União autorizar o plantio, a cultura e a colheita da maconha, exclusivamente para fins medicinais, em local e prazo predeterminados, mediante fiscalização.

A Audiência Pública será destinada a instruir o Projeto de Lei da Câmara nº 37 de 2013, que dispõe sobre “O Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas e as condições de atenção aos usuários ou dependentes de drogas e para tratar do financiamento das políticas sobre drogas”. O encontro será realizado no dia 10 de dezembro de 2014, quarta-feira, às 10 horas, no Plenário nº15, na Ala Senador Alexandre Costa, Anexo II, Senado Federal. A solicitação de debate foi encaminhada por meio da Sugestão Legislativa nº 10/2014 – #SUG10, endossada pela manifestação de apoio de dez mil cidadãos no Portal e-cidadania, do Senado Federal.

Foram convidados para compor a mesa Alexandre Teixeira Trino – Coordenador Adjunto de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas do Ministério da Saúde, Clarice Salete Traversini – Diretora de Currículos e Educação Integral da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, Jaime César de Moura Oliveira – Diretor-Presidente Substituo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA e o Dr. Elisaldo Carlini – Diretor-Presidente CEBRID Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas.

AÇÃO LÁ E CÁ, O DEBATE NÃO PODE PARAR!

“Maconha é Remédio. E agora?” foi uma proposta que entrou praticamente aos 45′ do segundo tempo no qual os grupos e veículos do SmokeBud tiveram o papel fundamental, movendo uma ação coletiva de pedidos de apoio, bloqueando grupos, direcionando páginas e juntos com o portal Regule a Maconha e a Bahng originando uma promoção onde foram sorteados um vaporizador, camisas e canecas da SUG8 ajudando atingir a marca dos 10 mil apoiadores dias antes de encerrar o prazo no portal e-cidadania. Logo é de extrema importância a participação presencial de todos na audiência pública da SUG 10. Quem for de Brasília, coloque o compromisso na agenda e compareça na próxima quarta-feira (10), às 10 horas (chegue com uma hora de antecedência) no Plenário 15, na Ala Senador Alexandre Costa, anexo II, do Senado Federal e ajude a defender o cultivo da maconha para fins medicinais. 

Aproveitamos e deixamos o apelo aos Pais e Pacientes que necessitam da planta para uso terapêutico. COMPAREÇA ao debate, o resultado deste pode definir meios mais simples e de custos reduzidos ao uso medicinal da maconha. 

Os internautas podem participar do debate por meio do portal do senado, pelas redes sociais e por telefone através do Alô Senado no Telefone: 0800-612211.

Facebook: alosenadofederal
Twitter: @AloSenado
Portal e-Cidadania: https://www12.senado.gov.br/ecidadania/visualizacaoaudiencia?id=3081

Foto de capa: Valter Campanato/Agência Brasil

  • Romancito

    Queridos buds brother, uma ideia ótima, faz muita diferença. Mas duas ideias e quantas mais vierem a ser discutidas no senado, e apoiadas pela massa imensuravel que somos, tenho completa certeza de que conseguiremos conquistar esse direito e venceremos com grande honrra essa batalha. Então amigas e amigos canábicos, apresento a voces um novo debate pra ser lançado ao senado. Espero que possamos contar com TODA A MASSA de apoiadores nessa causa. Em homenagem ao SUG 8 :
    Esta proposta foi enviada ao senado. Entao POR FAVOR, “DIVULGUEM”.
    Ideia Legislativa: Regulamentar a maconha a fim de faciliar a vida de civis doentes e separ usuários de traficantes preservando vidas acabando com o tráfico.

    Boa noite a todos.
    Estou aqui para propor a vosso(s) excelentíssimo(s)
    Senhores(as), a ideia de que acabar com o tráfico de drogas e ao mesmo tempo preservar a saúde e a vida de civís que lutam em ambos os lados contra doenças graves, a violencia, o drástico número de pessoas sendo algumas delas ate mesmo muito jovens, que venham a conhecer outras drogas através de bocas de fumo, ou traficantes na busca pela maconha que infelismente caiu em maos erradas fugindo assim dos poderes publicos,incluindo tambem a violencia que vem ceifando cada vez mais vidas de ambos os lados e inocentes, pode ser possível e esta ao alcance de todos nós brasileiros assim como tem sido feito em outros países.
    Mas como?
    A ideia principal deste debate,é acabar com o tráfico de drogas,separando usuários de traficantes e ao mesmo tempo facilitar a vida daqueles que realmente nescesitam um tratamento adequado e específico a enfermidades graves preservando vidas e mantendo uma sociedade em completa ordem e controle,através da Regulamentação da Maconha.
    Mas como seria essa Regulamentaçao?
    A regulamentaçao da maconha no Brasil, envolveria facilitar o plantio pessoal da maconha. Mas um plantio regulamentado, só seria permitido ao paciente e usuário “cadastrado” sem burocracias, sendo especificado a finalidade e o uso de tais, talvez sendo ate mesmo cobrado uma taxa única justa e acessível pelo cadastro, permitindo ao paciente e usuário que pudesse ter o pórte em suas residencias um numero X de plantas de maconha para uso medicinal pessoal.E fica expresamente PROÍBIDO POR LEI O USO EM PÚBLICO estando sujeito a sanções da lei.
    Sendo assim, com esses metodos regulamentados, usuários se manteriam longe de apoiar o trafico nao se misturando a outras drogas, pois podendo cultivar a sua própria planta, ninguém correria o risco de se envolver com traficantes. E os pacientes teriam a liberdade tao merecida de tratar de suas nescecidades enfermas com o CBD.
    Espero que analizem a propósta e deem todo o apoio.
    Muito obrigado.