Chega a ser decadente, além de triste, a notável falta de vontade do STJ em reconhecer a liberdade religiosa ao negar o pedido de liberdade do líder religioso Rás Geraldinho. Rás foi condenado a mais de 14 anos de prisão como traficante de drogas. As informações são do G1.

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou nesta quinta-feira (7), por unanimidade (cinco votos a zero), pedido de liberdade feito pela defesa de Geraldo Antonio Baptista, conhecido como Rás Geraldinho Rastafári, líder da Primeira Igreja Niubingui Etíope Coptic de Sião do Brasil, que prega a crença rastafári e o consumo de maconha.

Baptista foi preso em agosto de 2012, em Americana, no interior de São Paulo, porque a polícia encontrou 37 pés de maconha plantados na igreja. No ano passado, ele foi condenado a mais de 14 anos pelo crime de tráfico de drogas.

O advogado Rodrigo Mello Mesquita, que defende o líder religioso, pediu que o STJ reconhecesse que o cliente fez uso religioso da maconha e o libertasse com base no artigo quinto da Constituição, que garante a liberdade religiosa. Depois do resultado, ele afirmou ao G1 que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal.

“Levaremos ao Supremo Tribunal Federal porque entendemos que aquele tribunal é o ambiente adequado para essa discussão, que é constitucional”, afirmou Mesquita.

Como argumento, o advogado também menciona a legalização da maconha no Uruguai.

Segundo ele, o uso da maconha pelo cliente se deu no exercício de sua religiosidade, e ele não representa problemas para a sociedade.

“É fundador de uma igreja etíope, que professa a fé rastafariana, de origem africana, desenvolvida na Jamaica no fim do século 19 e no início do século 20. […] A discussão aqui tratada demanda análise profunda de questões antropológicas. É inviolável a liberdade de crença”, declarou.

O relator do pedido de liberdade, ministro Marco Aurélio Belizze, afirmou que o tema é “polêmico”, mas não cabe ao STJ analisar se o uso da maconha no contexto religioso é ou não permitido.

“Não vou entrar na discussão de fé, religião. Não temos essa função aqui. Este tribunal tem limites para a discussão. Não se pode trazer discussão se é melhor ou pior que o álcool. É momento oportuno de discussão, com a renovação no Executivo e no Legislativo. Mas o espaço do STJ é pequeno para a discussão sobre isso. Não há dúvida de que a droga é controlada socialmente, a atividade é crime, e o paciente sabia disso. Não estamos desconsiderando a sua fé.”

Todos os outros ministros da turma concordaram. A ministra Laurita Vaz aproveitou para afirmar que é contra a descriminalização da maconha.

“Maconha é caminho para outras drogas e para o fundo do poço. […] Vamos descriminalizar o uso de uma droga que só leva ao mal? Sou extremamente contra e queria mostrar minha posição”, disse.

Na Pontinha ~

O SmokeBud repudia a decisão do Supremo Tribunal de Justiça de manter preso um líder religioso que teve a sua liberdade religiosa, que é garantida na constituição, violentada e sequestrada ao ser preso e condenado há 14 anos de prisão como traficante. Aproveitamos e deixamos uma simples questão ao STJ. Para que os senhores servem? Se nem para assegurar o que rege a constituição vocês fazem. Além do mais a discussão não é se a maconha é melhor ou pior que o Whisky, do dia-a-dia, e sim se um homem que nunca traficou, pegou em uma arma e nem se quer contribuía para o tráfico deva permanecer preso e condenado erroneamente por cultivar maconha com finalidades religiosas.

Ajude a fazer a defesa da Primeira Niubingui Etíope Coptic de Sião do Brasil, acesse e contribua como puder.
https://www10.vakinha.com.br/VaquinhaE.aspx?e=273704