Substrato, Orgânico, ambiental, ácido, neutro, alcalino, húmus
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Fala gurizada!!! A CannaBeast voltou com mais um post sobre um assunto que rende bastante pano pra manga na cena grower: qualquer coisa relacionado ao cultivo orgânico de maconha. E tudo isso é válido. As plantas muitas vezes são modificadas pra resistir às pragas, são encharcadas de pesticidas para consumirem menos tempo e dedicação e alcançar um maior custo x benefício. O resultado é o aumento da poluição, diminuição do valor nutricional da planta e danos às pessoas que a consomem com traços químicos. Se estamos preocupados com o meio ambiente, nossos corpos e nossas plantas, precisamos ter o mesmo tipo de cuidado com nossa erva. E hoje, mais especificamente, vamos jogar uma luz e clarear as suas ideias quando o assunto é substrato orgânico porque esse tópico é base e começaremos por ele. Enjoy!

Um meio de cultivo de maconha é a substância em que você decide cultivar suas plantas. Ou você cultiva utilizando um substrato com nutrientes, ou sem. Existem também os cultivadores de hidroponia (que usa água e nutrientes, uma solução, como meio de cultivo), só que esse é um assunto extenso e a gente promete que vai dedicar um post exclusivo pra ele, então não vamos nos precipitar. Por isso, hoje você vai aprender só os meios de cultivo em substrato orgânico.

Cada meio de cultivo tem suas vantagens e desvantagens, possibilitando com que você desenvolva a cannabis de uma forma ou de outra. Existem muitas informações sobre esse tema e você vai ver que muitos growers possuem misturas de substratos bem diferentes, e geralmente cada um deles acha que o seu é o melhor.

A verdade nisso tudo é que existem diferentes tipos de meio de cultivo e receitas de misturas de substratos orgânicos que vão te levar ao mesmo objetivo mas de formas diferentes. Como são muitos substrato e misturas a gente vai se ater ao essencial, que é o que todo mundo deveria saber para cultivar maconha orgânica. Arregacem as mangas que o CannaBeast chegou com mais um conteúdo pesadíssimo em busca do elixir sagrado!

 

Tipos de substratos

Para facilitar o entendimento, nós resolvemos dividir os substratos para maconha em três classes, que são:

  • Orgânico (Objeto do tema)
  • Inerte
  • Semi-Inerte

Substrato Orgânico

Um substrato orgânico é um meio de cultivo que interage com a planta. Ou seja: já possui em sua estrutura elementos que vão fornecer alimento para o desenvolvimento dela. Mas não é só isso. Um substrato orgânico deve ter um microambiente rico em fungos e bactérias benéficos que vão auxiliar a planta a absorver os nutrientes.

O meio de cultivo baseado em solo orgânico é o mais utilizado pelos growers para plantar maconha. Isso acontece porque geralmente eles são baratos e fáceis de gerenciar. Mas se seu solo não for adaptado para o crescimento da cannabis propriamente dita, então independentemente do nível avançado ou não de suas habilidades de cultivo, suas plantas de cannabis não alcançarão todo o seu potencial. À medida que você ganha conhecimento e experiência, você começará a entender melhor o que sua planta precisa e a criar um mix de solo perfeito pra elas.

Porque cultivar maconha orgânica?

Rendimento

Uma das principais preocupações dos growers é a possibilidade de um menor rendimento ao crescer de forma orgânica. Mas isso não é necessariamente o caso e é fato que se todas as condições forem ótimas você vai poder alcançar maiores rendimentos do que utilizando outros métodos.

Melhor riqueza microbiana

Se o microambiente (ou seja, a fauna de micróbios) não for otimizado, os rendimentos podem ser menores do que com os cultivos não-orgânicos. Uma quantidade substancial de pesquisas sobre cannabis e outras plantas demonstraram que o estabelecimento de um solo rico em micróbios têm múltiplos benefícios – permite a fixação de nitrogênio e a retenção de água, estimula o crescimento e ajuda a prevenir doenças nas raízes. Fazer sua própria mistura e deixá-la curtindo por cerca de trinta dias antes do uso permite o desenvolvimento de uma abundância de fungos e outros microorganismos favoráveis.

Menor impacto ambiental

A maneira mais ecológica de cultivar maconha é ao ar livre na luz solar natural, já que um dos maiores impactos ambientais do cultivo de cannabis é pelo consumo de eletricidade. Mas a legislação desfavorável e persistente no Brasil faz com que a cannabis seja cultivada em ambientes fechados, mesmo que o clima local possa suportar o cultivo outdoor perfeitamente.

Então quem é que ganha a medalha de honra ambiental? O cultivo orgânico ao ar livre é o vencedor, mas se essa não é uma opção viável pra você, existem alguns cuidados que podem ser tomados para minimizar o geral impacto ambiental em ambientes fechados. Cultivar de forma orgânica é uma maneira eficaz de reduzir esse impacto já que a produção de nutrientes orgânicos geralmente requer menos processamento em comparação aos nutrientes convencionais (que também precisa de uso substancial de energia para produzir, principalmente derivados de combustíveis fósseis). O descarte de substratos usados com fertilizantes químicos também pode aumentar a concentração de metais no solo e aumentar esse impacto.

 

O que devo cuidar na hora de cultivar maconha orgânica?

Quando você usa um meio baseado em solo orgânico, a cannabis desenvolverá longas e sinuosas raízes. Essas raízes buscam pelo solo e absorvem água e nutrientes. O solo também vai passar por períodos mais secos que permitirão a circulação do ar, o que dá às raízes a oportunidade de absorver mais oxigênio.

Ao usar um meio baseado em solo orgânico, você vai ter que prestar atenção no nível de pH. O pH serve para medir o quão ácido é ou está o substrato, e ele é medido de 1 à 14, sendo 1 muito ácido, 7 neutro e 14 muito alcalino. A cannabis precisa de um nível de pH entre 6 e 7 para se desenvolver normalmente.

Você também vai precisar verificar as proporções de nutrientes dos substratos que farão parte deste mix. Alguns elementos não possuem nenhum tipo de nutriente, outros possuem mais de um e eles geralmente são mostrados como NPK. NPK é a sigla denominada para expressar os 3 macronutrientes essenciais para o crescimento e desenvolvimento de sua planta: nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K), e serão exigidos em diferentes quantidades de cada um.

As misturas de solo prontas geralmente expressarão os índices no formato de 20:20:20. Nesse exemplo a embalagem nos mostra que os solos são compostos por 20% de cada nutriente.

Leia também:  Uso medicinal da maconha reacende debate sobre cultivo e combate ao tráfico

E quais pontos devo levar em conta antes de fazer essa mistura?

  • Uma boa mistura de substrato deve conter macro e micro nutrientes específicos para cada fase de cultivo. Para uma planta em crescimento vegetativo o solo deve conter elementos que forneçam mais Nitrogênio do que Fósforo e Potássio, pois a planta em fase vegetativa necessita mais desse macro nutriente do que dos outros. Já uma planta em fase de floração irá precisar de mais Fósforo e Potássio do que Nitrogênio;
  • Capacidade dos elementos para criar uma boa vida microbiana no substrato;
  • Capacidade de retenção de líquido e drenagem.

Sempre recomendamos o transplante de plantas em transição de estado vegetativo para floração a vasos maiores e com substratos específicos para floração.

Não retire o substrato antigo na hora do transplante pois pode acabar danificando as raízes e estressando a planta. Raízes danificadas = menor rendimento, não esqueça disso.

Tipos de substrato orgânico

Terra do seu jardim

Muito cuidado ao usar o solo do seu jardim, porque ele pode conter insetos, doenças e pragas que podem comprometer o ambiente controlado de um cultivo indoor. Você pode usar solo de jardim para cultivar maconha, mas é altamente provável que você vai precisar misturar ele com outros elementos para incluir todos os nutrientes que a planta precisa.

É importante verificar a acidez utilizando um medidor de pH de solo, bem como a textura para se certificar que é adequado. O solo tem que ser fofo, o que quer dizer que quando você pega uma porção de solo em sua mão e o aperta e solta ele deve se esfarelar com facilidade. Se você apertar e ele ficar com a forma da sua mão ele é muito denso, e um solo assim dificulta a absorção de oxigênio pelas raízes e o desenvolvimento delas.

Para aumentar a retenção de água no solo é comum adicionar vermiculita ou aumentar a drenagem com perlita. Se o solo é muito ácido a dica é misturar calcário dolomítico ou calcário de conchas, e para o contrário, se ele for muito alcalino, você pode tentar misturar um pouco de pó de café usado.

 

Húmus de minhoca

O húmus é uma substância orgânica feita de matéria vegetal decomposta. Pela natureza do húmus você corre o risco de introduzir um ocasional inseto no seu grow indoor, mesmo que você compre ele em uma loja. A maioria das marcas de húmus afirmam ser livre de erros, mas isso é muito difícil de se alcançar. O húmus de minhoca, por outro lado, possui todos os três macronutrientes que as plantas precisam para se desenvolver, e por esse motivo é muito usado em misturas de solo tanto para crescimento quanto para floração.

No processo digestivo da minhoca, 40% da matéria orgânica consumida é utilizada para seu desenvolvimento e os 60% restantes são transformados em húmus. Húmus de minhoca nada mais é do que excremento dela.

O húmus influencia diretamente no crescimento das plantas em virtude da presença de hormônios reguladores do crescimento vegetal e ácidos húmicos. Além disso, estudos recentes também apontam que a utilização do húmus tem um grande potencial de controle de patógenos associados a doenças de plantas, principalmente as bactérias e os fungos.

Só para ter uma idéia, a concentração média dos principais nutrientes no húmus fica em torno de 1,5% de N (Nitrogênio), 1,3% de P (Fosforo), 1,7% de K (Potássio), 1,4% de Ca (Calcio) e 0,5% de Mg (Magnésio).

 

Guano de morcego

O guano também é excremento seco de morcego ou pássaro e está disponível tanto em níveis altos de nitrogênio quanto em fórmulas de fósforo alto. Muito guano vai queimar as raízes das plantas, então siga as instruções do fabricante.

Casca de arroz carbonizada

A casca de arroz carbonizada é um substrato feito de casca de arroz que passou por um processo de esterilização que é a carbonização. É considerada um excelente substrato por permitir uma ótima aeração nas raízes da planta e ser leve e porosa, estimulando a drenagem. Além disso ela é firme e densa o suficiente para fixar a semente ou a estaca e a sua coloração ajuda a formar sombra. O volume é constante esteja ela seca ou molhada.

 

Leia também:  Mesmo com autorização da Justiça extrato à base de maconha fica retido em alfândega

Calcário de conchas

A farinha de conchas ou calcário de conchas, como também é chamado, é um corretivo de acidez do solo, assim como o calcário de rochas. Cal virgem, cal hidratada ou o calcário dolomítico, no entanto, como fornece cálcio e magnésio e é de origem mineral (origem animal) deve ser considerado como fertilizante inorgânico natural. A farinha de conchas é obtida a partir da moagem das pedras fossilizadas de conchas de animais marinhos, possuindo 96% de cálcio (carbonato de cálcio) e 0,3% de magnésio (óxido de magnésio). Tem liberação lenta e efeito duradouro.

 

Torta de mamona

A torta de mamona é um adubo orgânico esfarelado muito usado em jardins como fonte do nutriente Nitrogênio, que é o que as plantas precisam em maior quantidade. Ele é um ótimo adubador que fornece muita matéria orgânica (cerca de 85 a 90%)e ajuda a controlar a população de microorganismos ruins.

Esse adubo é obtido das indústrias que extraem o óleo das sementes da mamona, que hoje é utilizado como biodiesel, e por ser um adubo orgânico ele libera os nutrientes aos poucos para a planta, nutrindo por mais tempo e sem excessos. Ele também melhora a qualidade geral da terra, facilitando a aeração, controlando a umidade, e retendo melhor os nutrientes.

Existem também outros nutrientes na torta, como o Fósforo, o Potássio e os micronutrientes, mas em quantidades bem menores. Possui 4 a 6% de nitrogênio, 1 a 2% de fósforo e 1,2% de potássio.

 

Farinha de osso

A farinha de ossos é composta de ossos de matadouros moídos e é rica em fósforo. Seu pH neutro e seu teor de lima oferecem um amortecedor contra o solo ácido. No entanto, pode atrair pragas para o seu crescimento.

Pó de coco

O pó de coco é um substrato derivado da fibra de coco e tem se mostrado uma alternativa mais barata e igualmente boa para o cultivo de cannabis. Ele é um bom condicionador orgânico do solo e favorece que as plantas cresçam saudáveis nas raízes, ramos, folhas e flores.

O pó de coco possui uma taxa lenta de decomposição, condicionando assim a porosidade do solo. Ele promove o desenvolvimento de um nível de pH médio ideal, e por seu índice naturalmente elevado de lignina, uma substância orgânica, incentiva também a formação de micro-organismos favoráveis no solo.

 

Torta de algodão

A torta de algodão por sua vez é um fertilizante natural, fonte de nitrogênio, fósforo, potássio e micronutrientes. É um adubo orgânico também de lenta liberação e também funciona como condicionador de solo, elevando o nível de matéria orgânica, proporcionando um solo equilibrado para o crescimento das plantas.

A torta de algodão é um adubo seguro e não queima as plantas por excesso de nitrogênio. Basicamente obtida pelo mesmo processo de produção da torta de mamona, é um adubo magnífico de longa duração, por isso muitas pessoas preferem ela em relação à torta de mamona. Possui cerca de 90% de matéria orgânica, além de 6 a 8% de nitrogênio, 2 a 3% de fósforo, 12% de potássio e mais um tanto em ferro, cobre, manganês, zinco e molibdênio.

 

Farinha de sangue

A farinha de sangue, igual a de ossos, é um resíduo de abatedouros usado como fertilizante pela ação rápida e a alta concentração de nitrogênio. Farinha de sangue e farinha de ossos são muitas vezes confundidas por jardineiros amadores, mas elas são bem diferentes, pois a farinha de sangue é rica em nitrogênio, enquanto a farinha de ossos é rica em fósforo.

A farinha é feita por um meio de aquecimento com vapor ou ar quente. Adubar com esse fertilizante é um privilégio, porque além de ser um fertilizante nobre e caro, praticamente toda a produção é destinada à alimentação de peixes e por isso dificilmente se encontra no mercado. Se encontrar nas prateleiras, compre! Possui 8 a 14% de nitrogênio, 0,3 a 1,5% de fósforo e 0,5 a 0,8% de potássio, nutrientes de surpreendente assimilação.

 

Esterco de gado e aves

O esterco fresco tem um alto agrupamento de nitrogênio, e por isso se for usado diretamente no solo pode queimar as plantas. Usa-se o esterco curtido, o que nada mais é do que as fezes – de vaca, cavalo, galinha ou coelho – deixadas ao tempo para que o nitrogênio em excesso evapore, o calor afaste a maioria dos patógenos e a chuva desmanchem um pouco da concentração. Depois de algumas semanas exposto ao sol, o esterco já não tem mais cheiro e as moscas somem. Ainda assim, o esterco curtido ainda é forte e deve ser usado em pequenas quantidades para não baixar muito o PH de sua mistura de substrato. 

Existem inúmeros tipos de substrato para cultivo indoor e como já mencionamos antes, você deve utilizar vários elementos que juntos compõem um meio de cultivo adequado para a planta escolhida. Manda a ver e qualquer dúvida esse espaço de comentários aqui embaixo tá aberto pra você matar ela com a gente!

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here