Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Ex-presidente uruguaio surpreende ao confirmar que voltará à cena eleitoral e defende projeto polêmico de legalização da droga

Fervoroso militante antitabaco, o ex-presidente do Uruguai Tabaré Vázquez se revelou simpatizante da legalização da venda de maconha, em debate no país.

O médico oncologista, que comandou o país de 2005 a 2010 e havia anunciado que deixaria a vida política, mudou o tom, confirmando sua candidatura à sucessão de José Mujica e endossando o projeto do aliado para regulamentação da droga.

Tabaré, porém, foi mais longe ao acenar positivamente a, se for eleito, disciplinar também a venda de cocaína. Em entrevista ao Canal 4 da TV uruguaia, Tabaré disse ser favorável ao projeto sobre a Cannabis aprovado na Câmara dos Deputados no dia 31 de julho, mas que não conta com apoio da maioria da população, conforme pesquisas de opinião. Perguntado se estaria disposto a lutar pela legalização da cocaína, respondeu com um surpreendente “sim”. Em seguida, fez ressalvas, sem entrar em detalhes.

– Não se trata de liberalizar o consumo (de cocaína). Temos de educar para que não se consuma. Mais do que liberalizar, temos de regular.

Tabaré já se posicionou contra a legalização, afirmando que não daria apoio à proposta se estivesse no poder.

– Primeiramente, você tem de provar que a legalização do consumo de drogas funciona. Não há razão para consumir maconha. Simplesmente, não deve ser consumida – afirmou para estudantes no ano passado.

A oposição tenta desqualificar a posição do ex-presidente. O senador conservador Jorge Larrañaga, do Partido Nacional, afirmou que a manifestação do médico é uma “surpresa” e se referiu à entrevista como uma “barbaridade” e um “disparate”. Pesquisas apontam a Frente Ampla, de Tabaré e Mujica, como favorita, seguida do Partido Nacional e do Partido Colorado.

No afã pela regulamentação da maconha, que ainda passará por votação no Senado, empresas estrangeiras já manifestam interesse em plantar a erva no Uruguai, diz o presidente da Junta Nacional de Drogas, Julio Calzada. Entre os interessados, estão uruguaios residentes no Exterior e empresas de Holanda, Israel, Inglaterra e Canadá que se dedicam à atividade.

Segundo o projeto, a Cannabis deverá ser cultivada por empresas ou clubes registrados. As empresas irão produzir de 20 a 22 toneladas da droga ao ano – o que seria suficiente para abastecer o mercado.

México esquenta debate similar

Com o movimento do Uruguai em direção à regularização de produção, consumo e venda da maconha como arma contra o narcotráfico, o governo mexicano prepara uma proposta com o mesmo fim para evitar a violência infligida pelo crime organizado. O líder da bancada governista na Assembleia Legislativa do Distrito Federal mexicano, Manuel Granados, almeja que o governo controle o consumo não só da Cannabis como de todas as drogas:

– Temos de regular não só a maconha, mas todas as drogas.

O ex-presidente Vicente Fox há tempos se posiciona favoravelmente à questão junto com outros ex-presidentes da América Latina, como o brasileiro Fernando Henrique Cardoso. Em entrevista à imprensa em junho, Fox defendeu que o México se torne um grande exportador mundial de maconha, para acabar com os cartéis da droga.

Proprietário de terras, o ex-presidente chegou, inclusive, a afirmar ter o desejo de cultivar a planta:

– Assim que for legítimo e legal, claro que quero, como agricultor, fazê-lo.

Via ZeroHora

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here