Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Cresce o número de ultramaratonistas americanos que admite usar maconha para aliviar dores e náuseas do pós-treino. As informações são do O Globo.

Primeiro estado americano a legalizar o uso recreativo da maconha, o Colorado volta a levantar fumaça. Desta vez, no mundo da corrida. Em especial, da ultradistância — vamos considerar aqui, o básico, aquelas superiores aos 42,195 quilômetros das maratonas. É no estado que tem mais intensidade a discussão sobre maconha e corrida.

Cresce o número de ultramaratonistas americanos que admite usar maconha para aliviar dores e náuseas do pós-treino. Quem corre longas distâncias sabe que estes são fantasmas que nos assombram. Dores e náuseas costumam aumentar com o volume dos treinos.

Pouco antes do carnaval começaram a pipocar em blogs de corredores americanos posts de defesa do uso da maconha para o treino. Mais destaque ganhou o do várias vezes campeão de ultras Avery Collins, de 22 anos, do Colorado. Ele admitiu que fuma maconha de quatro a cinco vezes por semana, o que o ajuda a cumprir suas planilhas semanais de mais de 240 quilômetros. Muita gente apoiou e outros criticaram, mas a notícia ganhou vulto mesmo após ser repercutida pelo “Wall Street Journal”, por Frederick Dreier.

collins ultrarunning
Avery Collins – “Se você chega na dose certa, a maconha alivia o estresse e ajuda a correr relaxado. Depois de provas, também é boa”

No mundo de esquiadores e snowboarders, o uso de maconha em treinos não é novidade. O Colorado é a meca americana destes esportes e também das ultras. Apesar da dureza, a ultramaratona conquista popularidade crescente e a discussão sobre o uso da maconha tem fôlego para se intensificar. Em dez anos, o número de ultras só nos EUA subiu de 294 para 1.300 por ano, segundo a a revista americana “UltraRunning”. No Brasil os números são muito tímidos. Mesmo assim, temos, por exemplo, uma das maiores delegações (fora França, Suíça e Itália) na ultra mais importante do mundo, a Ultra Trail do Mont Blanc, em Chamonix, na França.

Com a legalização da maconha, muitos atletas profissionais e amadores começaram a admitir que fumam com regularidade.

Fez coro a ele Jen Shelton, uma ultramaratonista americana dona de alguns recordes em provas duras, como a John Muir. “Quem corre ultras, precisa lidar bem com a dor, se manter calmo e relaxado e evitar os vômitos. A maconha te ajuda nisso tudo”, disse Shelton. Ela reconheceu usar antes de treinos, mas, por razões éticas, nunca em provas. Pois isso poderia aumentar a sua performance.

Collins foi além e disse que usa para competir. “Se você chega na dose certa, a maconha alivia o estresse e ajuda a correr relaxado. Depois de provas, também é boa”, afirmou Collins ao “Wall Street Journal”. Em seu blog e depois no jornal, ele fez um manifesto pela liberação da maconha para a corrida.

A discussão sobre a legalização da maconha, embora ainda enfrente muita resistência, tem ganhado fôlego e aliados como atletas profissionais só reforçam essa tendência. A maconha está legalizada para uso médico em 23 estados americanos. Segundo a médica Lynn Webster disse ao “Wall Street Journal”, há uma forte evidência de que os canabinóides realmente bloqueiam os sinais bioquímicos da dor. Webster é a fundadora de uma clínica pioneira no uso medicinal de maconha nos EUA, a Lifetree Pain Clinic, em Salt Lake City.

A Agência Mundial Antidoping em 2013 elevou a quantidade permitida de THC — o princípio ativo da maconha — a ponto de só deflagrar resultados positivos em testes se o atleta usasse a droga durante a prova. Na prática, isso abriu caminho para o consumo em treinos — inclusive na noite anterior a uma competição — e no pós-prova. Em competições, a agência frisou que o uso é banido porque poderia melhorar a performance e “viola o espírito esportivo”. A organização que regulamenta as provas de corrida nos EUA, a USA Track & Field, segue a determinação da agência.

No Brasil, a discussão está milhares de quilômetros atrasada. Aqui sequer se avançou de fato significativamente no uso médico e menos ainda na legalização. A questão, porém, existe. Queiram ou não os grupos que se opõem.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

1 COMENTÁRIO ANONIMO

  1. Sempre treinei no efeito da erva, e quando nao uso, os resultados sao inferiores. Apesar de saber que a absorcao de nutrientes é menor, o meu desempenho é muito maior!

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here