O presidente esquerdista do Uruguai, José Mujica, disse que seu país não vai se tornar um paraíso de consumidores de maconha, depois de a Câmara dos Deputados aprovar por estreita margem na noite de quarta-feira a legalização do cultivo e venda da droga.

O projeto, que ainda precisa passar pelo Senado, vai além da política holandesa de despenalização e cria um órgão governamental para regularizar as vendas legais e os clubes públicos para o consumo e monitorar o consumo de maconha pelos uruguaios.

Para evitar que o país passe a atrair turistas por causa da droga, só cidadãos uruguaios serão autorizados a usar maconha. O consumo da maconha já é legal no país, mas a venda e o cultivo não são.

Mujica, defensor convicto da medida, disse que “ninguém deve pensar que com essa lei se irá criar desordem ou encorajar o consumo”.

Em um programa de rádio nesta quinta-feira, o presidente disse que “em nenhum lugar do mundo a repressão gerou resultados”.

“Sabemos que estamos iniciando um experimento de vanguarda mundial”, acrescentou.

Mujica explicou que já foi fumante de tabaco e que toma “uma bebida de vez em quando”, mas que nunca experimentou maconha.

“Sou velho … mas percebi que essa é a vida dessa juventude – o consumo está aí nas esquinas e é produzida em um mercado clandestino com regras ferozes. É um monopólio da máfia.”

Uma recente pesquisa mostrou que 63 por cento dos uruguaios são contra a medida.

Reportagem de Malena Castaldi,
via Reuters Brasil