Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Para muitos uruguaios, a lei que legaliza a compra, a venda e o cultivo da maconha é vista com indiferença e como algo que não vai mudar suas vidas em nada. As informações são da EFE, via Exame

Em meio a toda a polêmica, e embora a maioria seja contrária à entrada em vigor da lei que legaliza a compra, a venda e o cultivo da maconha, regulamentada no dia 2 deste mês, para muitos uruguaios a legislação é vista com indiferença e como algo que não vai mudar suas vidas em nada.

Enquanto o mundo fala com entusiasmo, interesse ou repúdio sobre a nova legislação uruguaia, a primeira do mundo a regularizar e a pôr nas mãos do Estado o uso recreativo da droga, os cidadãos do pequeno país sul-americano dão de ombros e quase não se exaltam, apenas se declaram levemente a favor ou levemente contra a medida.

Soledad, uma jovem uruguaia que trabalha em uma multinacional, é uma das que não se entusiasmam com o tema: “É que não vai mudar nada, não será significativo. Nem vai ter menos criminalidade nem mais, nem mais fumantes nem menos. E ninguém se mobilizará para mudar isso, mesmo que não goste, porque essa é uma idiossincrasia uruguaia. Eu prefiro que não seja legalizado, mas não farei nada a respeito”, assumiu a jovem.

Para a mãe de um menino de dois anos, as críticas sobre a legislação vêm de que a legalização da venda “passa uma mensagem de aceitação” sobre o consumo de drogas, embora também reconheça que “com o álcool é o mesmo” e “ninguém pensa em proibi-lo”.

Leia também:  Maconha pode ser alternativa no tratamento da síndrome do estresse pós traumático (SEPT)

“É uma mensagem estranha, e isso é discutível. Mas não tem problema os consumidores se beneficiarem e poderem ter suas plantinhas. Embora isso seja algo que todo o mundo já fazia antes”, lembrou.

Para Soledad, o que mudará é a facilidade de acesso: “As pessoas terão (erva) mais facilmente, acho. Não será tão complicado como antes. Melhor para elas, mas, para mim, tanto faz”, acrescentou a jovem.

Segundo as últimas pesquisas, 64% dos uruguaios se opõem à lei aprovada no final de 2013, apesar de 51% dos mesmos preferirem aguardar para ver se funciona antes de ser revogada.

Diego Martínez, de meia idade e pai de três filhos, também considerou que a legalização não terá consequência alguma na vida diária dos uruguaios e concordou que o consumo da droga não aumentará.

“Sim, pode ser que se evite o problema do tráfico, mas depois haverá outros enquanto o Estado tramitar. De qualquer forma, os narcotraficantes não irão embora: passarão para outros produtos. Eles sempre trazem o que faz falta”, argumentou.

Martínez defendeu que, para os uruguaios, há outros temas muito mais importantes do que a legalização da maconha, um assunto que não entra “em seus afazeres diários”.

“Para nós são muito mais preocupantes a saúde, a criminalidade, os conflitos trabalhistas, a educação. Bom para quem se importa, mas para a grande maioria não faz parte de nossas vidas”, sentenciou.

Leia também:  Confira a participação emocionante dos pais de Anny no programa "Encontro"

Por sua vez, Manuel Taboada, um espanhol que vive há mais de um ano no Uruguai – e, portanto, habilitado legalmente para comprar ou plantar maconha em casa segundo a nova lei – endossou que nada vai mudar, exceto que agora “se dignificará um pouco o consumo de maconha”, o que “aparentemente é positivo”.

Mesmo assim, destacou que serão necessários vários meses de implementação para poder avaliar a iniciativa em sua justa medida.

“É algo pioneiro e arriscado, mas fundamentalmente vai servir apenas para tirar a carga psicológica que recaía sobre o consumidor de maconha de ser um drogado”, opinou.

Segundo o regulamento da lei da maconha apresentado na sexta-feira, o Uruguai venderá a droga em farmácias por US$ 1 o grama, e ela será controlada e terá as mesmas limitações de uso que o álcool e o tabaco, e plantará não mais de 22 toneladas por ano para seu uso recreativo, além de permitir o cultivo doméstico e a associação em clubes para a produção da droga.

Tudo isso será regulado pelo Instituto de Regulação e Controle do Cannabis (Irca), que será o encarregado de registrar, autorizar e regular o mercado da maconha, distribuindo licenças e controlando o cultivo da planta.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here