Da vitrine se avistam vasos, adubo, ferramentas para mexer na terra e pesticidas. Para os desavisados, pode parecer uma loja de jardinagem.

Mas basta entrar e ver a imagem da Monalisa com um cigarro de maconha na mão e um exemplar do DVD “O Uso Medicinal da Cannabis” para saber que o jardim a que se dedica a 420 (CuatroVeinte) é de outro tipo.

A loja, localizada em uma galeria no bairro Belgrano, é uma das 20 “grow shops”, espaços destinados à venda de produtos para o cultivo de maconha, que existem em Buenos Aires. Na Argentina, o número chega a 50.

O dono, Bruno Aristarain, 32, músico, DJ e diretor de cinema e publicidade, cultiva sua própria maconha há 11 anos. Em 2009, depois de uma viagem a Amsterdã, onde a droga é legalizada, resolveu abrir a 420.

“Estava cansado de fumar a maconha prensada, que é ruim, e não queria dar dinheiro para o tráfico. Aí comecei a plantar”, conta ele, filho de Adolfo Aristarain, respeitado cineasta argentino. “Aqui eu junto as duas coisas que gosto, o cultivo e o trato com as pessoas. Consigo ganhar um bom dinheiro, me manter com esse negócio.”

No país, o cultivo e o consumo de maconha são ilegais, com pena de 4 a 15 anos de prisão. Mas as lojas, registradas como de acessórios de jardinagem ou tabacarias, são permitidas desde que não vendam sementes da planta.

Para solucionar esse problema da operação é preciso recorrer a lojas on-line da Espanha e da Holanda, que enviam as sementes por correio. “Isso quando o carteiro não rouba [risos]! Já aconteceu comigo”, diz Aristarain.

O aumento do comércio voltado ao cultivo de maconha, segundo os donos das lojas visitadas pela Folha, se deve ao fato de que muitos usuários estão perdendo o medo à medida que têm mais informação.

A procura por informações alimenta a área editorial. O país já tem duas revistas especializadas no tema, vendidas em banca: “Haze”, com tiragem de 10 mil exemplares, e “THC”, com 30 mil.

Um dos colunistas da “Haze” e editor da versão brasileira da publicação é o baiano Eduardo “Camarón”, 35, que vive na Argentina desde 1989 e mantém cinco plantas da droga em casa.

“A maior parte dos leitores quer saber como começar a cultivar, quais as melhores sementes, como cuidar da planta”, conta.

As lojas também dão dicas para os clientes não serem denunciados, como saber exatamente onde plantar e não divulgar que possui uma planta em casa. O alerta máximo, segundo a vendedora Florencia Larrosa, da 420, é ficar de olho nos vizinhos.

produtos cultivo argentina
Eduardo ‘Camarón’ com maconha que cultiva em casa, em Buenos Aires

O empresário Javier Marcheggiano, 36, planta maconha há 12 anos e nunca teve problema com a vizinhança.

Há cinco meses, inaugurou a segunda unidade da Olivos Grow. Vende, entre outras coisas, fertilizantes, pesticidas orgânicos e estufas sob medida para cultivo “indoor”, dentro de casa, usando, por exemplo, um guarda-roupa. Um modelo em madeira com lâmpadas específicas –as plantas precisam de luz artificial para crescer– sai por 4.000 pesos (R$ 1.672).

“Pago imposto, dou emprego. Tenho três filhos e quero ter a felicidade de dizer, quando crescerem e decidirem fumar maconha, que livrei três pessoas do tráfico”, diz.

Outro argentino que já conta com duas lojas “grow” em Buenos Aires é Ignacio Goyret, 36. Em 2009, ele abriu as portas da Basta de Lobby em Nuñez. Dois anos depois, chegava a Palermo Soho. “O cultivo cada um faz na sua privacidade. Não há apologia. A maconha é uma flor, não é algo perigoso”, diz.

A legalização, para Goyret, não é algo que só o Uruguai, que teve a lei aprovada na Câmara de Deputados, pede. “É um pedido global, uma questão cultural. Não quero que me tratem como delinquente porque tenho uma planta.”

Via Folha de S.Paulo